19 de janeiro de 2022
Campo Grande 34º 24º

Política

Fazendo Arte invade universo de grafismos indígenas, onças e árvores

A- A+

Operária da arte, a artista visual Lúcia Martins Coelho Barbosa se encantou pelo universo artístico ainda adolescente, quando trocava tarefas de matemática por de educação artística com as amigas. Há mais de 40 anos atua na área das artes plásticas em Campo Grande, sendo que suas obras já foram expostas em países, como França, Estados Unidos, Portugal, Itália, Japão e Paraguai. Suas pinturas vão da abstração ao figurativo e documentário a respeito dela você confere no programa Fazendo Arte de dezembro, que estreia na TV ALEMS nesta quarta-feira (1), a partir 19h15, podendo também ser conferido no YouTube da Assembleia Legislativa de MS. 

Artista eclética, Lúcia possui trabalhos voltados ao abstracionismo, cubismo, figurativo, entre outros temas. Formada em História pela FUCMAT, hoje Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), ela também é pós-graduada em Imagem e Som pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Lúcia destaca que seu encontro com a arte teve início ainda na infância e se intensificou na adolescência. A formação em História lhe garantiu um mergulho na História da Arte, fator que aprimorou seu desempenho frente às telas. 

Com curadoria de Carlos Von Schmidt, o Projeto Peretá, que em tupi-guarani significa 'caminho', foi exposto em Brasília, Goiânia, São Paulo e Campo Grande. Em parceria com o artista Sandro Luiz da Silva, Lúcia trabalhou grafismos indígenas, enquanto ele mostrou esculturas contemporâneas. "Ele é descendente de índios e nas nossas exposições, fizemos caminhos inversos: ele trabalhou perspectivas contemporâneas e eu mergulhei nos grafismos indígenas". 

Para Lúcia, a arte não é hobby, mas uma maneira de expressar as coisas que a cercam. Ela evita rótulos e prefere se intitular uma artista eclética, já que seus trabalhos iniciais são marcados pelo cubismo, com traços do pintor brasileiro Candido Portinari, passando por quadros a óleo e técnica de pastel seco na série das onças pintadas. Além disso, a artista visual gosta de pintar árvores. 

Em 2007, Lúcia e o mestre de origami Elder Alves criaram o Grupo Ecoema para discutir arte, promovendo a interação com outros artistas para trabalhos em processos coletivos. Um dos pontos fortes do grupo era a produção de origamis. Fiel à sua missão de operária da arte, Lúcia criou o Múltiplo Ateliê em 2016. O espaço foi pensado nos três filhos, que têm ligação com a arte, e no local são desenvolvidos trabalhos com outros artistas. O espaço possui cozinha experimental, sala de balé e yoga e o ateliê da artista. 

O material produzido, roteirizado e apresentado pelo jornalista João Humberto também conta com depoimentos da atriz e diretora Joana Barbosa, da ceramista Helena Belalian, do mestre de origami Elder Alves, do chef e pesquisador Paulo Machado, da coreógrafa e educadora somática Maria Elvira Machado e da professora de ioga e educação somática Inês Machado. 

Fazendo Arte 

As artes são formas de expressão criadas através de inúmeras formas e materiais e, de acordo com a vontade do artista, se transformam em grandes produções. Para valorizar esse universo, a TV ALEMS implantou em sua grade de programação o programa 'Fazendo Arte', que vem exibindo documentários sobre artistas e movimentos que enriquecem a cultura sul-mato-grossense. 

Produzido, apresentado e roteirizado pelo jornalista João Humberto, o programa pode ser assistido no canal 9 da Claro Net TV às segundas, a partir das 15h15; quartas, às 19h15, e aos sábados às 14h45. Confira também esta e outras edição do programa no YouTube da Assembleia MS.