19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

BOLSONARISTA | ALEXANDRE GARCIA

Jornalista: sem a Covid-19, doença respiratória matou 350 milhões em 1 ano, mas só há 220 milhões

Dado falso foi apresentado pelo jornalista para minimizar as 300 mil mortes causadas pelos vírus, para livrar a responsabilidade de Jair Bolsonaro

A- A+

O jornalista bolsonarista Alexandre Garcia afirmou durante programação de jornalismo da CNN Brasil que, sem incluir a Covid-19, 356 milhões de brasileiros morreram de doenças respiratórias desde o dia 16 de março de 2020. O dado falso foi utilizado por ele para minimizar as mais de 300 mil mortes por coronavírus no país.

“A gente não pode esquecer de outras doenças. A gente está muito concentrado. Veja só, de 16 de março para cá, de acordo com registro civil das certidões de mortes, veja só o que as doenças respiratórias mataram”, iniciou o jornalista.

“Sem o Covid, pneumonia, síndrome respiratória aguda e insuficiência respiratória mataram 356 milhões de brasileiros no mesmo período em que a Covid matou 300 mil”, completou Garcia. O Brasil, no entanto, tem 220 milhões de habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O comentário do jornalista foi feito após o presidente Jair Bolsonaro afirmar em rede nacional, na noite de terça-feira (23.mar), que o país terá mais de 500 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus até o fim de 2021. “Estamos fazendo e vamos fazer de 2021 o ano da vacinação dos brasileiros”, disse o mandatário. Bolsonaro, no entanto, negou a eficiência do imunizante e fez campanha pelo uso de medicamentos sem comprovação científica durante os meses anteriores da pandemia.

Veja o momento da fake news de Garcia: 

Não é primeira vez que Alexandre Garcia mente em rede nacional ao vivo. Em 16 de março, durante a programação da CNN ele foi desmentido pelo âncora do jornal após ler um tweet falso que teria sido postado por Ludhmila Hajjar, quando comentava o convite do presidente para ela ser a nova ministra da Saúde.

Alexandra Garcia leu um tweet em que supostamente, Ludhmila agradecia Bolsonaro. “Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro pela confiança do convite para assumir o Ministério da Saúde, com a responsabilidade de continuar o trabalho de enfrentamento a covid-19. Certamente terei colaboração. Deus me ilumine nessa missão”, leu o comentarista. Segundo ele, essas seriam aspas da doutora.

Em seguida, o âncora da CNN Brasil corrigiu o jornalista ao vivo. “Alexandre, sobre o tweet que você falou da doutora Ludhmila Hajjar, nós entramos em contato com a assessoria de comunicação da doutora Ludhmila, e ela afirmou que esse tweet que você citou é um tweet falso”, disse.

Veja abaixo: