25 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 22º

Para governador de Minas, Brasil precisa adotar medidas do setor privado para melhorar gestão públic

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB) veio a Campo Grande para uma ministrar uma palestra a empresários e políticos de Mato Grosso do Sul sobre os avanços alcançados pelo estado de Minas Gerais durante sua gestão devido à valorização da administração pública. Anastasia estacou que, no Brasil, historicamente,  a administração pública é estagnada e tem sido desde a promulgação da constituição de 1988 negligenciada pelo que o governador chama de amarras constitucionais que submetem a gestão pública a um controle extremamente rigoroso, fora do normal, o que deixa a administração pública engessada. Para Anastasia, o Brasil precisa adotar algumas medidas praticadas pelo setor privado para melhorar e otimizar o serviço público. "Algumas pessoas quando falo isso se confundem e dizem que queremos privatizar a máquina pública, não é isso, mas existem mecanismos do setor privado, como as metas, por exemplo, que podem ser aplicados no setor público e melhorar a eficiência da gestão pública", explica.Segundo o governador de Minas Gerais, o Brasil ainda pratica uma distribuição irregular de tributos. Anastasia observa que o Brasil possui um alto índice de arrecadação tributos, no entanto, não repassa de forma adequada segundo a necessidades de cada estado da federação. "O Brasil arrecada muito, mas não distribui sua arrecadação de acordo para os estados e municípios", afirma. Participaram da palestra, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB), os deputados estaduais pelo PSDB, Marcio Monteiro e Rinaldo Modesto, a vice-governadora Simone Tebet (PMDB) entre outras autoridades. Vindo de fora, governador de Minas prefere não palpitar sobre cenário político sul-mato-grossense O governador de Minas Antonio Anastasia preferiu se calar e não responder sobre seu posicionamento em relação à possível aliança entre seu partido, o PSDB, e o PT em Mato Grosso do Sul. "Eu não conheço a realidade do Estado e por isso prefiro não falar", afirma. Anastasia também destacou que caberá ao diretório nacional decidir sobre as alianças e sobre o futuro político do deputado federal Reinaldo Azambuja.  Anastasia também afirmou que no momento oportuno a executiva nacional do partido irá se pronunciar. Heloísa Lazarini