27 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

APURAÇÃO

PF cumpre mandados judiciais contra bolsonaristas em operação sobre fake news

Estão sendo cumpridos 29 mandados de busca e apreensão

A Polícia Federal (PF) cumpre, desde as primeiras horas da manhã desta4ªfeira (27.maio), ordens judiciais determinadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Entre os alvos da PF estão o agorav aliado de Jair Bolsonaro, ex-deputado Roberto Jefferson, o defensor assíduo de Bolsonaro, empresário Luciano Hang (dono da Havan), assessores do deputado estadual paulista Douglas Garcia (PSL) e ativistas bolsonaristas. 

As ordens judiciais tratam de investigações sobre fake news (inquérito nº 4.781), conduzidas pelo ministro Alexandre de Moraes.O principal foco da operação é um grupo suspeito de operar uma rede de divulgação de notícias falsas contra autoridades, além de quatro possíveis financiadores dessa equipe.

Jefferson que já foi condenado no Mensalão, aliado de longa-data do ex-presidente Fernando Collor, agora também aliado de Jair Bolsonaro, Teria, segundo investigações, feito ameaças à democracia ao publicar uma foto com um fuzil "os traidores".

Outros alvos da operação são os bolsonaristas Allan dos Santos (blogueiro) e Sara Winter (ativista). Allan dos Santos é apoiador de Bolsonaro e editor do site Terça Livre. Ele prestou depoimento à CPMI das Fake News, no ano passado, e negou receber verba oficial do governo para manter a página.

Já a ativista Sara Winter lidera um grupo denominado 300 do Brasil, que formaram um acampamento para treinar militantes dispostos a defender o governo Bolsonaro. Em entrevistas recentes, ela reconheceu que alguns de seus integrantes estão armados.

Também é alvo o humorista Rey Bianchi, que postou em suas redes sociais um vídeo com o mandado de Moraes, no qual critica a operação. A operação mira ainda quatro supostos financiadores de fake news.

Os policiais federais cumprem 29 mandados de busca e apreensão em endereços no Distrito Federal, Rio de Janeiro, em São Paulo, Mato Grosso, no Paraná e em Santa Catarina.

O inquérito busca elementos que comprove sua ligação e sustente seu possível indiciamento dele ao fim das apurações. Outro filho de Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo PSL de SP, também é suspeito.

Nesta manhã, em meio à operação da Polícia Federal, Carlos esreveu em rede social. "O que está acontecendo é algo que qualquer um desconfie que seja proposital. Querem incentivar rachaduras diante de inquérito inconstitucional, político e ideológico sobre o pretexto de uma palavra politicamente correta? Você que ri disso não entende o quão em perigo está."

*Com informações da Agência Brasil e Folha de S. Paulo.