25 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 22º

PT está dividido em relação à permanência na base de Gilmar Olarte

Os membros do PT (Partido dos Trabalhadores) estão em reunião neste momento no escritório do senador Delcídio do Amaral (PT), discutindo sobre a permanência dos petistas na base aliada do novo prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP).  A ex-secretária de Assistência Social que anunciou que voltará para a Câmara Municipal nos próximos dias, Thaís Helena (PT) optou por não expressar sua opinião, mas ressaltou que ficou chateada com a cassação do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

“Fiquei um pouco chateada pela forma como tudo foi feito. Foi uma cassação sem provas cabais, que contou com o desvio de dinheiro. Vou aguardar a decisão dos líderes sobre a base aliada”, afirma a vereadora.

Já o presidente do PT e prefeito de Corumbá, Paulo Duarte, garantiu que a reunião servirá para unir o pensamento dos membros do PT. “Essa reunião é para que o partido tenha uniformidade no pensamento, falar a mesma língua, mesmo que algumas lideranças discordem. Os critérios analisados serão aqueles que forem melhor para eleição do Delcídio, o que pensam as lideranças do PT e a participação no governo não é um critério”.

Zeca do PT defende que o partido tem posicionamento público e pontua três coisas fundamentais utilizadas. “Quero deixar três coisas bem claras: A crítica ao estupro à democracia que vem do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), que é de responsabilidade do André Puccinelli e do Nelsinho Trad. As críticas que o partido sempre fez ao isolamento de Bernal e não podemos nos omitir em abrir o diálogo”, pontua o vereador.

Dando indícios de que está do lado do novo prefeito, o deputado federal Vander Loubet (PT), que dias antes da cassação do ex-prefeito, pediu que o partido rompesse o apoio a Bernal, garantiu que apoia um governo de coalizão. Já o deputado federal Antonio Carlos Biffi (PT) garante que é contra qualquer participação do partido na base aliada do prefeito por  que considerar o novo prefeito ilegítimo.

Compartilhando a mesma opinião do deputado Biffi, o deputado estadual Amarildo Cruz diz ser contra o golpe e ressalta que sua opinião de não apoiar Gilmar Olarte já é conhecida.  O deputado estadual Pedro Kemp (PT) preferiu não opinar e o deputado estadual Cabo Almi (PT) garantiu que vai ouvir os líderes do partido e prometeu caminhar com a maioria.

Ressaltando ser a favor de Campo Grande, o vereador Ayrton Araujo (PT) disse que o partido está dividido e garantiu estar tranquilo sobre a cassação do ex-prefeito Alcides Bernal. “Estou tranquilo, não sei dizer sobre uma possível volta de Bernal, mas este é um momento de não abandonar o barco. O partido apoiou a prefeitura na figura do Bernal e agora com o Olarte, temos que continuar, afinal o PT ajudou o PP (Partido Progressista) a eleger o prefeito e o vice.

Dany Nascimento e Diana Christie