01 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

Se executivo subsidiasse metade das gratuidades, valor do transporte coletivo seria reduzido para R$

O vereador Eduardo Romero (PT do B), afirmou na tarde de hoje que caso a prefeitura de Campo Grande arcasse com cerca de 50% das despesas existentes em decorrência das gratuidades do transporte coletivo, o valor da tarifa de ônibus na Capital que hoje é de R$2,70 passaria a custar R$2,40.

Romero explica que para definir o valor a ser pago pelo transporte, é necessário analisar itens como tributos, impostos, folha de pagamento dos funcionários, gastos com manutenção dos veículos e gratuidade, sendo que o último item poderia ser extinto da lista caso o poder executivo criasse um fundo que custeasse esse gasto que hoje é debitado do bolso dos usuários convencionais.

“Hoje a cada seis milhões de pessoas que utilizam o transporte público mensalmente, cerca de 1,8% é gratuidade, ou seja, quem paga pra quase dois milhões andar de graça é o trabalhador comum”, relata Romero que diz ainda que o maior causador deste “erro” é o próprio poder público. “Não queremos interferir no direito que foi adquirido por estudantes, idosos e pessoas com deficiência, pelo contrário temos que ter orgulho disso, porém, também não podemos cobrar do trabalhador, portanto, nada mais justo que o poder público subsidie o custo”, disse.

Segundo o vereador para que a proposta seja efetivada é necessário que a prefeitura abra mão de alguma verba e crie um fundo específico apenas para financiar essa despesa. Eduardo cita também que para isso o legislativo prestará todo apoio necessário “Não vamos somente jogar a bomba nas mãos do prefeito, vamos discutir juntamente com o executivo as possibilidades para a execução dessa proposta , no entanto, a executiva deve chamar a responsabilidade para si”, afirma.

Clayton Neves