26 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

SENADORA DE MS

Tebet defende punição severa aos poucos que destroem o meio ambiente

Simone chegou a propor a inclusão temporária do Pantanal no Conselho Nacional da Amazônia Legal

Leia também

• Simone Tebet comenta reforma administrativa: “corte de direitos não é salvação"

• Tebet não fará sabatina de Nunes do dia 13: "seria um desrespeito"

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) acredita que a percepção da importância do Pantanal para o equilíbrio dos ciclos de chuva e da umidade faz com que o mundo volte os olhos para o bioma. Ela lamentou a quantidade de focos de incêndios na região, ainda tão elevados. Outubro registrou a maior alta histórica de fogo. 

“É um processo, estamos aprendendo pela dor e essa dor vai nos ensinar a tomar ações efetivas para que essa situação não se repita no futuro”, disse. 

Simone chegou a propor a inclusão temporária do Pantanal no Conselho Nacional da Amazônia Legal. O objetivo era garantir o acesso à estrutura física e financeira do Conselho para que o Pantanal estivesse na política de prevenção e combate a queimadas. A ideia foi acatada pela Comissão do Pantanal, da qual ela faz parte, mas ainda não foi aceita pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, coordenador do Conselho da Amazônia. Mas, para a senadora sul-mato-grossense, é uma questão de tempo até que a proposta seja acatada porque o mundo e os próprios brasileiros estão descobrindo a importância do Pantanal para o equilíbrio ambiental.    

Tero Queiroz · Senadora diz que o mundo está percebendo a importância do Pantanal

PUNIÇÃO SEVERA

Para Simone Tebet é fundamental que o Brasil sinalize para o mundo que não vai tolerar crimes ambientais e vai punir severamente os poucos que provocam incêndios descontrolados, grileiros e mineradores ilegais. 

“Essas queimadas em excessos são fruto, realmente, da falta de chuva, além do ato criminoso de uma meia dúzia. Mas, da mesma forma que defendemos que, de um modo geral, o agronegócio cuida do meio ambiente, temos de ser rigorosos com aqueles que invadem terras públicas, grileiros, mineradores ilegais. Porque se não tivermos essa palavra ‘crime’ para uma meia dúzia ou 0,1% que destrói o meio ambiente, ‘queimaremos’ a honra do agronegócio. Para a senadora Simone Tebet, a punição rigorosa vai sinalizar ao investidor estrangeiro que no Brasil o meio ambiente “é coisa séria. Do contrário, nós vamos atingir em cheio a economia brasileira porque hoje o mundo olha para os produtos da forma como foram produzidos. Então a gente tem que tomar muito cuidado, não só por uma questão ambiental, mas por uma questão econômica também”, disse alertando que com a tecnologia é possível produzir em qualquer tipo de terreno e o Brasil pode perder o posto de celeiro do mundo.