29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

Vereadora garante que se depender de Bernal, esposa de vereador volta a trabalhar

Após uma série de manifestações na Câmara Municipal durante a manhã desta terça-feira (11), sobre o caso de Rosemary da Costa Rocha que é esposa do vereador João Rocha (PSDB) e estaria afastada de suas atividades profissionais devido a estar enfrentando um câncer no pulmão e nos ossos, se submetendo a sessões de quimioterapia e que mesmo assim, teria sido convocada pelo prefeito Alcides Bernal (PP) a retornar ao trabalho, no qual exerce a função de coordenadora de um projeto de ginástica rítmica.

De acordo com a vereadora Luiza Ribeiro (PPS) que faz parte da base aliada do prefeito na Câmara Municipal, uma reunião aconteceu na manhã de hoje, onde ela e o líder da base  Marcos Alex (PT) levaram essa questão ao prefeito. “Conversamos na manhã de hoje com o prefeito porque eu recebi uma ligação do João Rocha na tarde ontem e  se depender do prefeito, a Rosemary deve voltar as atividades, porque ela estava coordenando muito bem o projeto de ginástica rítmica e até onde eu sei, ela não está de licença devido ao problema que vem enfrentando”, explica Luiza Ribeiro.

Questionada sobre um possível contato de Alcides Bernal (PP) com o vereador João Rocha (PSDB), a vereadora acredita que isso deve acontecer nos próximos dias. “Eu acredito que o Bernal deve fazer um contato, até porque ele mesmo ficou surpreso ao saber que a Rosemary era esposa do vereador. O prefeito a conhecia, mas não sabia que ela era esposa do vereador. Eu e o Alex ainda iremos nos reunir de novo com o prefeito para tratar este assunto e decidir junto ao prefeito o que será melhor”, ressalta a vereadora.

Ao lembrar-se das vaias direcionadas ao vereador Marcos Alex (PT) no momento em que se pronunciava a respeito de Bernal, Luiza demonstra em tom alterado que “não tinha sentido vaiar o vereador. Eu acredito que todas as pessoas têm direito de pensar o que quiser, mas aquelas vaias vieram de assessorias de imprensa que estavam presentes no local, não tinha sentido, o problema é que a pessoa se sente tão a vontade ali, que acaba fazendo coisa que não tem sentido”.

Dany Nascimento