11 de abril de 2021
Campo Grande 33º 22º

Diz delegado

Assassina de jovem degolada mentiu sobre ter sido coagida

O delegado Bruno Urban, da 1ª Delegacia de Polícia Civil da Capital,  em entrevista ao MS Notícias  na tarde desta quarta-feira (3) disse não acreditar que Iris Adriana Barbosa da Silva, 22 anos, agiu  junto ao marido por estar sofrendo ameaças. Iris  é acusada de participar do assassinato de Thais Giedry Borges dos Santos, também com 22 anos. 

A jovem, que já  havia tido um relacionamento amoroso com Thais,  disse à polícia  que seu marido, Kielvnn de Morais, 24 anos, descobriu as mensagens que ambas trocavam e começou a ameaçá-la. Coagida, Iris alegou que foi obrigada a forjar um encontro com Thais na Praça do Rádio Clube.

“Em 2013 foi registrado um Boletim de Ocorrência (B.O) em que Iris bateu na Thais e em sua mãe, que tentou separar a briga. Segundo testemunhas ela era violenta e já havia ameaçado Thais. A Iris agiu em parceria com Kelvin e assim como ele será indiciada por homicídio duplamente qualificado”, Explica o delegado.

Thais foi assassinada na noite de domingo (31) por volta das 23 horas depois de ter ido até à Praça do Rádio Clube atendendo a uma ligação de Iris que dizia estar com sua filha, que era afilhada de Thais. Ao chegar ao local, enquanto brincava com a afilhada, Thais foi surpreendida por Kielvinn, que degolou a jovem.

De acordo com o delegado, nesta quarta-feira (3) a mãe de Thais  foi chamada ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) onde foi recolhida amostra  para exame que confirmará se o sangue contido na arma do crime é de Thais.

O casal será indiciado por homicídio duplamente qualificado com pena de 12 à 30 anos de prisão. Segundo o delegado, a bebê, de 9 meses, que foi usada como ‘isca’ para a emboscada, está sob a guarda da mãe de Iris.