01 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 19º

Ritual religioso

Terceiro suspeito de espancar menino de 4 anos é preso e admite ter 'visto tortura'

A- A+

Foi preso no início da tarde desta quarta-feira (24), Giovane da Silva Ortiz, 18 anos, suspeito de participar da sessão de tortura em que um menino de 4 anos foi espancado. 

Giovane foi encontrado pela polícia de Aquidauana, cidade onde a mãe do menino foi vista pela última vez em situação de rua. Segundo informações da polícia local, ele não é tio do garoto como havia sido mencionado. Os tios do menino, presos na noite desta terça-feira (23) confessaram que espancavam a criança como parte de um ritual religioso. Eles disseram à conselheira tutelar Cassandra Szuberski, que 'estavam possuídos'.

Segundo delegado titular da 1ª Delegacia de Polícia de Aquidauana, Antonio Souza Ribas Junior, Giovane foi preso na casa do pai por volta das 13 horas. Ele não resistiu à prisão, porém, inicialmente, negou participação no crime, mas depois admitiu ter presenciado o espancamento algumas vezes, mas que 'não fez nada'.

"Fizemos uma entrevista inicial com ele, onde ele disse que mora na residência com tios da criança, mas afirmou não ser parente da criança. Porém, ele negou ter participado das agressões, mas admitiu que via isso acontecer e não fazia nada. Entretanto, há muitas contradições na fala dele", diz o delegado.

Conforme delegado, Giovane está detido em uma cela sozinho e deve ser transferido ainda nesta quarta-feira (24) para Campo Grande, Na Capital, o responsável pelo caso é o delegado titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA), Paulo Sergio Lauretto. 

Filhas do casal filmavam 'sessões de sacrifício'

Segundo informações apuradas pelo MS Notícias, as filhas do casal, preso suspeito de torturar o sobrinho de 4 anos, filmavam as sessões de tortura, que eram consideradas por ele parte de ritual de magia negra. Em um dos vídeos feito por uma das meninas, de 12 anos, p o garoto aparece amarrado. Elas não participavam das agressões, mas assistiam a tudo.