30 de outubro de 2020
Campo Grande 24º 18º

Unidade prisional

Operação apreende 24 celulares em unidade prisional do Rio

Penitenciária abriga principais lideranças do Comando Vermelho

Inspetores penitenciários da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) apreenderam 24 aparelhos celulares e um smartwatch na Penitenciária Gabriel Ferreira de Castilho, Bangu 3, no Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio de Janeiro. O smartwatch é um relógio que funciona como um smartphone, recebendo e fazendo chamadas telefônicas. A penitenciária abriga as principais lideranças do Comando Vermelho, considerada a maior facção criminosa do Rio de Janeiro.

A ação integrada desta sexta-feira (16) foi realizada em apoio à Secretaria de Polícia Civil que, no mesmo horário, realizava uma grande operação nas comunidades do Salgueiro e Jardim Catarina, em São Gonçalo, comunidades comandadas por criminosos da mesma facção criminosa. A finalidade era evitar que, de dentro da prisão, as lideranças do Comando Vermelho passassem instruções aos comandados das duas comunidades, consideradas as mais perigosas da região metropolitana do Rio.

Operações

A apreensão ocorreu dentro da Operação Asfixia, que ocorre de forma contínua nas instituições penitenciárias do Rio. A operação, realizada pelos próprios inspetores penitenciários, apreendeu no ano passado, 10.286 celulares nas celas e galerias das unidades prisionais do Estado.

A Seap informou que vem trabalhando intensamente para combater qualquer tipo de irregularidade dentro das unidades prisionais, com destaque para outras duas operações iniciadas no começo do ano passado: Iscariotes e Bloqueio.

Celulares apreendidos Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio - Divulgação Seap/RJ

Celulares apreendidos Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio - Divulgação Seap/RJ - Divulgação/Seap/RJ

De acordo com a secretaria, a Operação Iscariotes flagrou 23 servidores tentando entrar com objetos ilícitos nas cadeias. 

A Operação Bloqueio prendeu115 pessoas tentando entrar com drogas e celulares em cadeias. Nesta ação, foram presas pessoas tentando arremessar drogas e celulares para dentro das unidades; mulher forjando gravidez para não passar no scanner; visitantes levando drogas na bainha da calça, entre outros casos.
 
Outra medida importante adotada pela secretaria para reforçar a segurança nas unidades prisionais foi o uso de alta tecnologia. Foram adquiridos três drones que estão sendo utilizados nas operações e fiscalizações.