18 de outubro de 2021
Campo Grande 23º 17º

INCÊNDIO MS

Chamas ameaçam Escola Rural em MS; fogo se alastra há semanas

Escola atende a dezenas de filhos de ribeirinhos do rio Paraguai e praticamente toda a mata em seu entorno já foi consumida

Na região de Corumbá, o fogo já dura ao menos duas semanas e atingiu inclusive casa de ribeirinhos e, segundo informações da Brigada Pronto Emprego Pantanal Prevfogo MS, na noite de ontem (21.set.2021) os trabalhos de combate aconteciam a 600 metros atrás da Escola Rural de Ensino Fundamental Jatobazinho. 

Ameaçada pelo fogo, essa iniciativa atende a dezenas de filhos de ribeirinhos do rio Paraguai e praticamente toda a mata em seu entorno já foi destruída. Ela é mantida pelo Instituto Acaia, em regime de alternância: onde as crianças chegam de barco de suas casas, ficam na instituição de segunda a sábado, passam o fim de semana com a família e retornam no início da semana, tudo feito de forma gratuita.

Nildete Dias da Silva, do Instituto Acaia, confirmou que essa semana, os alunos não estão na escola. "Graças a Deus eles estão de folga. Foram para casa no sábado e essa era a semana de descanso. Graças, porque o fogo está bem perto", comentou ela.

Ainda, segundo informações da Brigada, na região queima o chamado fogo de turfa, um dos mais complexo tipos de incêndios florestais, de acordo com os manuais de combate. Consiste em um tipo de material orgânico que é resultado da decomposição da vegetação, acumulado no solo ele pode alcançar vários metros de profundidade. 

Na manhã de hoje (22.set.2021), de acordo com o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais, do Ibama, cem homens do Corpo de Bombeiros foram enviados para reforço no combate às chamas, confirmou o coordenador do Prevfogo MS, Márcio Yule. 

No final da tarde de ontem (21.set) as chamas aqueceram e desloca o trabalho das forças dos bombeiros e Ibama, mas também de combatentes do Instituto do Homem Pantaneiro (IHP), além dos próprios ribeirinhos e funcionários da escola, que foram capacitados no ano passado e equipados pela ONG Ecoa, apontou material da agência Folhapress. 

O Pantanal enfrenta o terceiro ano seguido de seca, agravada por fortes geadas. Com a chegada do apoio, cerca de 14 brigadistas serão remanejados para a margem oposta do rio Paraguai, para evitar que o fogo chegue à Serra do Amolar,  que já sofreu com a queimada recorde de 2020.

 

Em Mato Grosso, várias regiões sofrem com grandes incêndios, como o município de Porto Murtinho e a terra indígena Kadiweu. 

Pelo Corpo de Bombeiros, a operação Hefesto já passa de 80 dias de trabalho contínuo. Segundo informações do portal Capital do Pantanal, o serviço de monitoramento aéreo tem sido de extrema importância. 

Para a localização dos focos de incêndio, sobrevoo de reconhecimento foi feito nas frentes de combate das regiões: Paraguai Mirim, Nhecolandia e Nabileque, sobrevoando o morro de Urucum com sentido ao foco de incêndio próximo a base avançada. 

Semana de redução das chuvas em Mato Grosso do Sul
Política
há 19 minutos

Semana de redução das chuvas em Mato Grosso do Sul

Veículos com placa final 0 tem até dia 31 para quitar licenciamento
Política
há 19 minutos

Veículos com placa final 0 tem até dia 31 para quitar licenciamento

Maracaju não registra novos casos de Covid-19 neste domingo (17)
Política
há 10 horas

Maracaju não registra novos casos de Covid-19 neste domingo (17)

Festival da Literatura Indígena terá palestras, oficinas e música
Política
há 23 horas

Festival da Literatura Indígena terá palestras, oficinas e música

Subs Racial finaliza a entrega de 5.600 cestas de alimentos para as comunidades quilombolas
Política
há 23 horas

Subs Racial finaliza a entrega de 5.600 cestas de alimentos para as comunidades quilombolas

Som da Concha deste domingo terá o Soul e Jazz de Otávio e o sertanejo de Rodrigo Nogueira
Política
há 23 horas

Som da Concha deste domingo terá o Soul e Jazz de Otávio e o sertanejo de Rodrigo Nogueira