27 de janeiro de 2022
Campo Grande 30º 22º

BEBIDA TRADICIONAL

Café terá preço mais alto dos últimos 25 anos em 2022

Dólar nas alturas e geadas são fatores que afetaram a safras brasileiras do produto

A- A+

O café vai subir e pode atingir a maior alta dos últimos 25 anos em 2022. 

Segundo apurado, a bebida querida dos brasileiros, teve baixa produção em 2021 devido às geadas e a alta do dólar. 

A Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) informou nesta sexta (7.jan.22) que o produto deve saltar de preços na prateleira. Atualmente um pacote da bebida custa R$ 14 em média. 

No Mato Grosso do Sul o produto pode ser encontrado de R$ 13 a R$ 22, porém, a Abic avisa que vai subir o preço. "Estamos tentando segurar, mas tende a subir", avisou a entidade. 

A Abic alerta os consumidores.

"Com essa alta, há empresas produzindo cafés de qualidade duvidosa para diminuir o preço, estamos muito preocupados com essa situação aí no estado", alertou a assessoria da Abic. 

Conforme apurado pelo MS Notícias, em 2021 foi registrado uma queda do consumo global de café no País. A Abic acredita que isso aconteceu devido ao aumento no preço do produto. A entidade disse que nos eviará dados sobre o consumidor sul-mato-grossense de café.  

A safra 2021-2022 sofreu danos climáticos, impactando o mercado do café, que já havia sofrido com uma pequena produção na safra 2020-2021.  

Além do Brasil, Colômbia e Vietnã, outros dois grandes produtores mundiais de café, também tiveram impactos nos preços no mesmo período.  

O diretor-executivo da Abic, Celírio Inácio, considera ser um cenário raro, de grande especulação em torno dos preços do produto.

LINHA DO TEMPO

Preços do café em prateleiras. Foto: Tero Queiroz Preços do café em prateleiras. Foto: Tero Queiroz 

A última grande crise do café foi em 1994, quando uma geada atingiu os estados de Paraná e São Paulo, que na época ainda eram os maiores produtores. A saca do café ultrapassou US$ 200 à época com a queda na produção.

Antes disso, a chamada “geada negra”, também no Paraná, afetou a produção das safras para 1975, 1976 e 1977, e o cenário piorou com a disseminação de uma doença chamada ferrugem alaranjada. Com isso, a saca chegou a US$ 400.

Em 1969 outra geada levou à perda de até 70% da safra daquele ano. Na década de 1930, quando houve uma superprodução do produto, a oferta superou a demanda e os preços caíram.

O Brasil era o maior produtor mundial de café naquele período, com o produto com grande peso na economia, e o governo de Getúlio Vargas decidiu comprar e queimar estoques de café para manter os preços altos.

Comparativamente, a crise atual do café está seguindo o caminho das anteriores. Inácio disse ao canal de TV CNN que atualmente a saca do café está em torno de R$ 1.200, ou cerca de US$ 213, em linha com preços de episódios anteriores.

FATORES DA ALTA

A análise dos preços do café levam em conta, o fato dele ser um produto de cultura bianual. Ou seja, uma produção ruim em 2021 tende a impactar a de 2022, e a recuperação é vista apenas em 2023.

André Rolha, analista da Venice Investimentos, afirmou ao canal de TV que a falta de chuvas e as geadas no Brasil afetaram quase 589 mil toneladas de café, em especial em São Paulo e Minas Gerais, esse último é o estado que concentra cerca de 50% da produção do grão.

A perspectiva ruim para a safra 2021-2022 se soma a uma produção baixa na safra de março de 2020 a setembro de 2021.

“A safra passada [2019-2020] foi recorde, mas tivemos um aumento do consumo interno com a pandemia e um recorde na exportação. Ela foi em torno de 60 milhões de sacas. Essa safra foi menor, não deve passar de 47 milhões de sacas”, explicou Inácio.

A produção baixa e a perspectiva de números também reduzidos em 2022 criam um cenário especulativo, com os preços da safra 2021-2022 já sendo afetados.

“Dependendo de como impacta o solo, a raiz, o produtor pode antecipar a produção e estocar prevendo uma alta de preços, e isso já tem sido repassado ao consumidor”, disse Rolha.

Além das geadas, outro aspecto que tem afetado os preços do café é a alta do dólar. Por um lado, o real desvalorizado estimula os produtores a exportar o café, já que a lucratividade é maior, mas a baixa oferta no mercado interno faz os preços subirem.

Ao mesmo tempo, um dólar mais elevado encarece os custos de produção. “O dólar saltou de US$ 5,20 para US$ 5,70, e esse peso reflete na cadeia de precificação, porque insumos, defensivos e combustíveis são importados”, diz o analista.

Inácio cita como exemplo os defensivos agrícolas, que já subiram mais de 120% em 2021. Os produtores acabam repassando parte desses custos maiores para os consumidores, buscando manter ao menos parte das margens de lucro.

A combinação de represamento do que já foi produzido com espera pela melhor hora para vender, produção menor, demanda maior, impactos climáticos na próxima safra e o dólar valorizado está fazendo o preço do café chegar a níveis recordes.

Há, ainda, fatores externos ao Brasil. Segundo Inácio, “países produtores como Vietnã, Colômbia e Etiópia já declararam uma produção menor de safra. A Colômbia nem conseguiu entregar toda a quantidade prometida para exportação. Com isso, o mercado e os preços dispararam externamente e internamente”.

A expectativa, para ele, é que o mundo “consuma mais café brasileiro” em 2022 para compensar essas baixas, mas isso ocorre em detrimento da oferta no mercado interno.

Segundo o diretor-executivo da Abic, a perspectiva ainda é de alta nos preços. “Tivemos até uma boa notícia com a florada do café nas últimas semanas com boa chuva, e sem isso o café estaria ainda mais caro. É um bom indício, mas não é certeza”.

O problema, porém, é que não há perspectiva de o dólar baixar, e a tendência é que o consumo do café continue a subir, ou se mantenha no nível elevado, em meio a uma queda dos estoques em todo o mundo, incluindo no Brasil.

Os Estados Unidos, maior consumidor mundial, devem ter uma demanda maior, atraindo as vendas. A perspectiva, com isso, é que os fluxos de oferta e demanda fiquem desequilibrados, com os preços subindo.

“O produtor fica atento ao que paga mais. Nós brasileiros somos o maior produtor, e o segundo maior consumidor. A exportação deveria estar disparada, mas há problemas como frete marítimo até cinco vezes maior e falta de contêiner, então, o café prometido para exportação ainda nem foi exportado devido a isso, mas ele já tem dono”, diz Inácio.

Levando em conta esse cenário, Rolha afirma que 2022 deve ter a máxima em 25 anos do preço do café no Brasil. “Se considerar que vimos no ano uma saca até R$ 600 o quilo, o vencimento em dezembro já está a R$ 1.300 a saca do café arábico. O preço tem espaço para subir ainda mais”.