24 de outubro de 2020
Campo Grande 29º 23º

Mudança na lei que proíbe transporte de carroças agrada categoria será votada hoje

Projeto de Lei Complementar que será votado hoje na Câmara Municipal é o primeiro passo para a regularização da atividade dos trabalhadores que usam a carroça como meio de transporte em Campo Grande. Proibidos de circular na área urbana do município, os carroceiros, que ganham em média em salário mínimo e meio, terão nova oportunidade de se regularizar com alterações na Lei Complementar n° 148, de 23 de dezembro de 2009 do Código Sanitário Municipal.

Pelo projeto de autoria do vereador Eduardo Romero (PT do B), a circulação de veículos de tração animal deverá ser novamente regulamentada pela prefeitura. “Fizemos o projeto após uma sugestão do Fórum Municipal de Lixo e Cidadania e da Associação dos Carroceiros. Cerca de dois mil carroceiros foram impedidos de existirem na cidade por causa dessa lei. Após audiência pública e ouvir a sociedade, fizemos uma alteração nesse código administrativo para reconhecer que existem esses carroceiros que fazem pequenos fretes, muitos deles ligados a coleta seletiva da cidade”, explica o vereador.

Segundo Romero, as pessoas que arriscam utilizar carroças dentro da cidade podem ser autuadas e o veículo e o animal podem ser apreendidos. “Claro que os veículos de tração animal não irão trafegar em avenidas de grande fluxo como a Afonso Pena e Ceará. Queremos limitar o lugar e a forma. Por exemplo, o carroceiro não pode maltratar o animal que precisa estar vacinado e regulamentado. Não é para incentivar o uso de animais em carroças, mas é o reconhecimento de pessoas na cidade que não podem ser ignoradas pela lei”.

Para o presidente da União dos Trabalhadores em Carroça de Mato Grosso do Sul, Eclevilson Pereira Silveira, 57, a iniciativa do vereador é importante para a categoria, mas não resolve todos os problemas, pois os carroceiros não possuem um local para descartar o lixo coletado. “No Estado temos 7320 pessoas cadastradas. Em Campo Grande girava em torno de três mil, mas muitos desistiram por causa da lei. Fazemos o transporte de entulho, calhas, pneus, sofás velhos, e descartamos em locais clandestinos”, afirma.

Segundo Eclevilson, a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) chegou a negociar um local para o descarte dos resíduos, mas desistiu do projeto quando a lei foi criada em 2009. O projeto do vereador Eduardo Romero passará por votação única e se aprovado segue para sanção do executivo municipal.

Diana Christie