19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

Alerta

Prefeitura alerta aos cuidados para evitar proliferação do Aedes Aegypti com a chegada das chuvas

A- A+

Com o início do período chuvoso durante a primavera, os locais propícios para a criação do mosquito Aedes aegypti se multiplicam e a população deve se mobilizar para eliminar os focos. Mesmo que os casos de dengue, zika e chicungunha em 2017 são muito inferiores do que os registrados no ano anterior, a Secretaria Municipal de Saúde (SESAU) de Campo Grande alerta para os cuidados para evitar o aumento das doenças.

Para o coordenador da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), Eliasze Guimarães, dois fatores são propícios para aumentar os casos de doenças transmitidas pelo Aedes. “Além da chuva que está prevista para cair na Capital nos próximos dias, a temperatura também está elevada. Esses são duas condicionantes que aceleram o desenvolvimento do mosquito, pois aumenta a oferta de criadouros e os ovos eclodem rapidamente com as altas temperaturas”, explicou ele.

O mosquito Aedes aegypti se reproduz em locais com água parada. Ele é o transmissor da dengue, chicungunha e zika vírus. Esta última, esta relacionada com o aumento de microcefalia em recém-nascidos.

Em 2017, foram notificados 1680 casos de dengue, enquanto que no ano anterior, 28469 notificações foram registradas: uma redução de 94,1%. “Mesmo com a baixa quantidade de casos, a população não pode descuidar, precisa estar atenta e eliminar os focos de criadouros do mosquito antes que o período chuvoso comece”, enfatizou Eliasze.

Em relação aos casos de zika, a redução é de 98%: foram 92 notificações em 2017, ante 4594 no ano anterior. Já a chicungunha, foram registrados 265 casos no ano passado, enquanto que até agora, 55 notificações foram apresentadas: redução de 79,25%.

Para as gestantes cadastradas no Programa Bolsa Família (PBF) as unidades básicas de saúde (UBS ou UBSF) distribuem de forma gratuita os repelentes fornecidos pelo Ministério da Saúde, mas a procura é baixa. Em agosto de 2017, apenas 54 mulheres retiraram o material.

Para o recebimento do repelente, a gestante deve comprovar ser beneficiária do Programa e realizar o pré-natal na UBS mais próxima da residência.  No momento da entrega, a grávida receberá orientação sobre a utilização do produto.

Cerca de 1800 gestantes estão inscritas no PBF e devem procurar as UBSs para receberem os repelentes no primeiro e ter direito ao produto nos meses seguintes da gestação, elas precisam realizar as consultas de pré-natal, atualizar a caderneta de vacinação e atender os critérios exigidos.

O repelente é mais uma forma de aumentar a proteção contra o mosquito Aedes aegypti, principalmente com as gestantes, pelo risco de contrair o vírus zika. Como o uso do material, diminui a possibilidade da microcefalia em bebês.

Orientações
Evite locais que possam acumular água, como: bandejas de ar-condicionado, calhas (principalmente no período após o inverno, elas acumulam muitas folhas), pneus velhos, caixas d’água destampadas, garrafas, vasos de flor e também recipientes jogados em lixo descoberto.

“A inspeção em casa deve ser um hábito semanal do morador. Ele deve olhar e ficar atento aos locais menos óbvios que podem ser criadouros. Até mesmo a vasilha de água dos cães e gatos precisa ser limpa periodicamente para evitar que o mosquito se desenvolva ali. Os quintais devem ser inspecionados frequentemente, pois nestes locais há muitos recipientes que podem acumular água”, afirma Eliasze.

“A SESAU está fazendo a parte que cabe ao poder público, com a intensificação das visitas domiciliares, nebulização com o ‘Fumacê’, mas a população precisa apresentar mudança de hábitos, pois 80% dos criadouros do mosquito estão dentro das residências”, enfatizou ele.

Dengue
Pessoas infectadas com o vírus pela segunda vez têm um risco significativamente maior de desenvolver doença grave. Os sintomas são febre alta, erupções cutâneas e dores musculares e articulares. Em casos graves, há hemorragia intensa e choque hemorrágico (quando uma pessoa perde mais de 20% do sangue ou fluido corporal), o que pode ser fatal.

Chicungunha
Os sintomas geralmente aparecem depois de uma semana de infecção. Febre e dor nas articulações surgem subitamente. Dor muscular, dor de cabeça, fadiga e erupção também podem ocorrer.

Zika
Na maioria dos casos, não há nenhum sintoma. Em alguns casos, o Zika pode provocar paralisia (síndrome de Guillain-Barré). Em gestantes, pode causar defeitos congênitos subsequentes. Quando presentes, os sintomas são leves e duram menos de uma semana. Eles incluem febre, erupção cutânea, dor nas articulações e olhos vermelhos.