29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

COSME E DAMINHÃO

Comerciante e funcionário público faziam festas para abusar de crianças e jovens em MS

Suspeitos teriam cometido abusos enquanto vítimas estavam dormindo ou então as embriagavam em festas com piscinas

Intitulada “Cosme e Damião”, a opreação de combate à pedofilia, cumpriu na 4ª-feira (17.junho) e ontem, 5ª-feira (18.junho), a prisão e busca e apreensão na cidade de Água Clara no interior de Mato Grosso do Sul. Um homem que seria comerciante foi preso e um servidor público está foragido.

Parceria entre Polícia Civil e Ministério Público Estadual, mirou dois alvos, ambos indiciados em crimes como estupro de vulnerável, estupro, importunação ofensiva ao pudor, assédio sexual e armazenamento de conteúdo pornográfico infantil.

O homem que foi preso, conforme os agentes, é  comerciante e "criava situações", usando principalmente o Instagram, para iniciar conversas com crianças.  "Era um oportunista, na verdade, já que criava situações e estas situações facilitavam o encontro dele com as vítimas. Ele abusava de crianças enquanto estavam dormindo, de adolescentes embriagadas em festas, piscinas, ônibus e em outras situações", comentou o delegado  Felipe Madeira, responsável pelo caso, em reportagem ao portal G1 MS. 

Material apreendido com comerciante. Foto: Reprodução 

Na casa de um dos suspeitos, agentes dizem ter encontrado conversas com teor sexual dos suspeitos com menores e ainda, indício de que os mesmo estariam enviando recebendo pornografia infantil.  

A vítimas tinham idade entre 9 e 16 anos, para atraí-las os suspeitos faziam festas, usavam piscinas, ônibus e locais ermos para praticar os crimes.  

O funcionário público investigado não foi localizado na casa onde mora e é procurado pela polícia. Ele foi afastado do cargo. 

OPERAÇÃO 

O nome da ação é em referência os santos protetores das crianças. Cosme e Damião foram médicos que faziam caridade aos pobres, curando suas enfermidades, além de proteger e abençoar crianças e jovens.

A pena de estupro de vulnerável é de 8 a 15 anos e a de estupro de 6 a 10, sendo ambos os crimes hediondos, nos termos da lei.