08 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 17º

Chaves rebate críticas e afirma que não tem rejeição no meio político

O secretário de governo e relações institucionais, Pedro Chaves, rebateu afirmações de que seria inexperiente na política e de que tenha aceitado o cargo na administração do prefeito Alcides Bernal (PP) sem a autorização do PSC, partido do qual é presidente de honra.

“Já dizia Aristóteles, todo homem é politico e todo homem é social. A politica é fazer o melhor pela cidade, ter boas relações e isso é uma habilidade nata do ser humano. Já fiz articulações com ministros e até com a presidência quando estava à frente da universidade (Uniderp) e sempre contei com deputados federais e senadores. São críticas equivocadas”, afirmou.

Chaves argumentou ainda que está em posição privilegiada por ser bem aceito em todos os círculos. “Não tenho rejeição. Tenho acesso a todos os formadores de opinião. Poderia ficar tranquilo, sem problema no meu canto, mas quero ajudar a cidade. Eu quero para Campo Grande é paz”, completou.

O secretário também negou que a sua posição na administração do prefeito tivesse causado mal-estar ao PSC já que a vereadora Juliana Zorzo decidiu por continuar fazendo oposição à Bernal na Câmara Municipal.

“O partido é extremamente democrático. Ele liberou a Juliana para manter essa forma de pensar, seguir conforme a consciência dela. O PSC não está impondo nada para ela. Conversei com o presidente municipal do partido, José Roberto, sobre a secretaria e comuniquei ao presidente nacional, com apoio total do José Roberto. Só não falei com o presidente regional porque ele estava viajando”, explicou.

Pedro Chaves substituiu Gustavo Freire, que na última semana foi demitido do Ministério da Fazenda por conta de uma acusação por improbidade administrativa. Ele é empresário e dono da Escola Mace, e foi dono da Universidade Uniderp, vendida para o Grupo Anhanguera.

Diana Christie