24 de janeiro de 2021
Campo Grande 29º 22º

Chefe da Defesa Civil afirma que não havia riscos à vida nas construções da Homex

Terminou, há poucos minutos, o depoimento do major Luidison Borges, primeiro da oitiva de hoje da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Homex. Luidison é o responsável pela Defesa Civil de Campo Grande e foi chamado para depor para explicar se havia ou não risco de morte nas construções devido a supostas irregularidades. e De acordo com o major, foram feitas pela prefeitura, em 2012, quatro solicitações judicializadas à Defesa Civil para que fossem verificadas as construções dos edifícios da Homex, no entanto, não foi detectado risco iminente à vida. "O trabalho da Defesa Civil é justamente verificar se há risco à vida da população. Vamos ao local e checamos para ver se há risco de desabamento por exemplo. No caso dos edifícios da Homex não foi constatado nada disso", explicou o major. Segundo Luidison, o único problema detectado foi fissuras e infiltrações nos pisos, o que, para ele, não justifica a intervenção da Defesa Civil. "Não vimos nada que comprometesse a vida dos moradores", afirma. O major explica que, em situações como esta, o trabalho da Defesa Civil é limitado, pois a instituição não pode emitir laudo de perícia por não ter em seu organograma um engenheiro. "Vamos inclusive solicitar à Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) para ceder um engenheiro à Defesa Civil." Saiba Mais: A CPI da Homex foi instaurada dia 10 de setembro para apurar possíveis irregularidades cometidas durante licitação e execução das obras de residenciais populares realizadas pela empresa Homex. A CPI é composta pelos vereadores Alceu Bueno (presidente), Carlão (vice), Vanderlei Cabeludo, Ayrton de Araújo do PT e Otávio Trad. Heloísa Lazarini e Clayton Neves