05 de agosto de 2021
Campo Grande 28º 15º

Deputados ressaltam que Bernal não aproveitou oportunidade para se tornar um grande político

A- A+

Após a cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), alguns deputados fizeram questão de ressaltar na manhã de hoje, que a população escolheu Bernal, mas o prefeito não soube valorizar os 270 mil votos. “O povo votou na mudança e com esse embate da prefeitura com os vereadores, foi provado que a prefeitura não estava trabalhando como deveria e ao mesmo tempo, a casa legislativa não deixava o prefeito trabalhar.  O Bernal não deu ouvidos as pessoas que pediam apoio, que solicitavam que ele governasse de maneira correta, conversando com a população e como isso não aconteceu, o grupo da oposição se manteve, chegando a essa situação, que eu considero o fundo do poço”, afirma o deputado estadual Cabo Almi (PT).

 Fazendo parte do mesmo partido que Almi, o deputado Laerte Tetila (PT) contrariou o pensamento do parlamentar, dizendo que Bernal não teve tempo de mostrar sua capacidade. “Não teve tempo para o  Bernal mostrar para que veio, porque no primeiro ano, o prefeito começa a aprender a dominar a máquina, começa a ter entendimento de como funciona a administração. Do segundo ano em diante é que a administração começa a deslanchar e as coisas começam a acontecer, mas tudo isso tem que ser articulado com um grupo, tem que ter sequencia para saber o  que fazer e isso não aconteceu”, destaca Tetila.

Já o deputado Lídio Lopes (PEN), fez questão de mostrar que está satisfeito com a decisão de cassação, garantindo que a população estava decepcionada com Bernal. “A população criou uma expectativa nas ideias que foram apresentadas por ele na campanha e quando uma pessoa leva uma proposta, o voto é uma oportunidade, mas em cima dessa oportunidade veio a decepção da sociedade”.

Lídio garante ainda que Alcides Bernal perdeu a oportunidade de se tornar um grande político. “Ele podia ter tido um grande nome no cenário político, mas devido aos confrontos e ao individualismo, acabou não alcançando isso. O legislativo tem sua força por ser um órgão fiscalizador e o que aconteceu ontem, estava dentro da lei”, finaliza o deputado.

Dany Nascimento e Tayná Biazus