20 de outubro de 2020
Campo Grande 30º 21º

Esacheu Nascimento garante que Nelsinho não representa princípios do PMDB

O vice-presidente do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), Esacheu Nascimento, avaliou as recentes trocas de farpas, publicadas em redes sociais, entre os pré-candidatos ao governo do Estado, Delcídio do Amaral (PT), e Nelson Trad Filho (PMDB). Para Esacheu,  as publicações mostram o nível da política sul-mato-grossense. "Infelizmente, no Mato Grosso do Sul e no Brasil, o nível da política caiu muito, mas é como eu digo em briga de Bulldog, vira-lata não se mete", afirma Esacheu em referência à disputa eleitoral entre Nelsinho e Delcídio.O vice-presidente do PMDB, por sinal, tem sido o principal opositor da candidatura de Nelsinho ao governo do Estado. Para Esacheu, Nelsinho não representa os princípios do PMDB, e ele garante não estar sozinho nesta avaliação. Embora Nelsinho e o presidente regional do partido, deputado estadual Junior Mochi, afirmem publicamente que o partido todo está unido em torno do nome de Nelsinho, Esacheu nega esta informação e garante que, como ele, existem muitos membros do partido que gostariam de ver outro nome, como. por exemplo, o da vice-governadora do Estado, Simone Tebet, à frente da disputa pela sucessão do mandato do atual governador, André Puccinelli (PMDB). "Esta candidatura não representa os princípios do PMDB, não retrata nosso programa de governo. Infelizmente, minha opinião foi vencida e esta candidatura foi imposta de cima para baixo", afirma. Esacheu enxerga o cenário político atual do país com certo pessimismo e admite que a sociedade brasileira está descrente nas figuras políticas atuais. "Hoje, as pessoas buscam o cargo pelo cargo e não se preocupam com a população. Basta ver a saúde, a educação, não só no Brasil, mas aqui em Mato Grosso do Sul e também em nossa Capital, esses serviços públicos não são de qualidade e as pessoas estão se sentindo frustradas com seus representantes", analisa. De acordo com Esacheu, as manifestações de junho do ano passado, que atingiram todo o Brasil,  e os atuais "rolezinhos" mostram, claramente, a insatisfação dos brasileiros em relação à classe política. "Hoje, o que deixa as pessoas frustradas é que os políticos não as representam mais.  Isso ocorre aqui em nosso Estado também. A classe política não sabe interpretar as necessidades da população". Para reverter este quadro, Ezacheu, que coordena o instituo Ulysses Guimarães no PMDM -MS, afirma que tem trabalhado para "ensinar" a política aos políticos. "Eu tenho tentado, por meio dos cursos da fundação (Ulysses Guimarães), melhorar, pelo menos o nível dos políticos do PMDB aqui do Estado." Heloísa Lazarini