29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

COVID-19

"Eu confio na hidroxicloroquina, e você?", diz presidente em vídeo ao ingerir pílula

O chefe do Executivo foi diagnosticado com a doença nesta 3ª-feira (7.julho)

O presidente Jair Bolsonaro publicou, nesta 3ª-feira (7.julho), um vídeo nas redes sociais em que toma uma dose de hidroxicloroquina e afirma que, "com toda certeza", o tratamento para o novo coronavírus "está dando certo".

"Eu confio na hidroxicloroquina, e você?", argumentou o presidente.  

O chefe do Executivo foi diagnosticado com a doença nesta terça. Entusiasta do medicamento, Bolsonaro ressalta no vídeo que estava "mais ou menos no domingo, mal na segunda-feira" e hoje está "muito melhor" devido ao remédio.

"Sabemos que hoje em dia existem outros remédios que podem ajudar a combater o coronavírus, sabemos que nenhum tem a sua eficácia cientificamente comprovada, mas mais uma pessoa que está dando certo", diz em referência a si próprio logo após tomar um copo de água para engolir o medicamento.

Na publicação, Bolsonaro destaca que está na terceira dose do remédio.

Desde o início da pandemia, o presidente entrou em sintonia com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na defesa do uso da hidroxicloroquina associada à azitromicina como solução para o avanço do novo coronavírus.

Nenhum estudo científico até o momento, entretanto, confirmou a eficácia do remédio, que pode causar danos colaterais graves.

Mesmo assim, Bolsonaro pressionou o Ministério da Saúde até a pasta aderir a protocolo de tratamento à Covid-19 não só para casos graves, mas também para pessoas com sintomas leves da doença.

O presidente determinou, inclusive, que as Forças Armadas ajudassem na produção do remédio. O Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército já gastou mais de R$ 1,5 milhão para ampliar, em 100 vezes, sua produção de cloroquina.

A ampliação da produção entrou na mira do Tribunal de Contas da União, que quer saber se houve superfaturamento nas compras do produto e se houve má aplicação de recursos públicos por Bolsonaro ao determinar a ampliação da produção sem comprovação científica adequada.

O laboratório do Exército firmou ao menos 18 contratos para comprar a cloroquina em pó e outros insumos de fabricação, como papel alumínio e material de impressão, ao custo total de R$ 1.587.549,81, segundo cálculos feitos pela Repórter Brasil com base no portal de compras do governo federal. Quase 95% dos gastos foram para a compra de 1.414 kg de cloroquina em pó.

As compras, sem licitação, fazem parte das ações de enfrentamento à pandemia. Os recursos vieram do Tesouro Nacional e foram repassados ao laboratório pelo Ministério da Defesa.