25 de fevereiro de 2021
Campo Grande 34º 22º

Eleições 2016

PDT busca nome para representar partido na disputa pela Prefeitura da Capital

A eleição para escolha do novo prefeito (a) de Campo Grande neste ano deve uma das mais acirradas, visto que a maioria dos partidos estudam lançar candidatura própria. PP, PT, PSDB, PMDB, PSD, até o momento, foram os primeiros a anunciar a decisão. Embora, com exceção do PSD, que já definiu nome do deputado estadual Marquinhos Trad, recém filiado ao partido, como pré-candidato, as outras legendas buscam nomes de consenso interno e com capacidade de angariar alianças de olho no segundo, que parece ser inevitável.

No PT, a discussão gira em torno de três nomes: Antonio Carlos Biffi, presidente regional do partido, Pedro Kemp, deputado estadual e Amarildo Cruz, deputado estadual. Zeca do PT, deputado federal, abriu mão de candidatura no final de 2015 após prisão do senador Delcídio do Amaral pela Operação Lava Jato, o que desgastou imagem do PT em todo país.

Assim como o PT, o partido do governador Reinaldo Azambuja, PSDB, também não chegou ao nome de quem pode representar a sigla no pleito deste ano. A vice-governador Rose Modesto, por enquanto, figura como favorita, mas há ainda na briga pela pré-candidatura, o deputado estadual Beto Pereira, secretário de governo Eduardo Riedel e secretário de administração Carlos Alberto Assis.

A situação do PMDB não é diferente das outras legendas, o partido tenta encontrar nome forte para conseguir retomar comando da Prefeitura de Campo Grande. Por enquanto, segundo ex-governador, existem quatro nomes cotados: Carlos Marun, deputado federal, Paulo Siufi, vereador, Márcio Fernandes, deputado estadual e Carla Stephanini, vereadora. 

Enquanto, grandes partidos buscam nome, siglas menores, que em outras eleições se limitavam a apoiar legendas tradicionais, estudam lançar candidatura própria. É o caso do PPS, PDT, Rede Sustentabilidade e DEM. O PSB não terá candidato a prefeito, o presidente da Cassems Ricardo Ayache, que trabalhava desde final de 2015 para viabilizar sua candidatura, anunciou na última semana, que desistiu do pleito. 

Para o presidente estadual do PDT, a disputa este ano permite que partidos lancem candidaturas próprias e trabalhem até com chapa pura para cargos no Legislativo. "Nós termos candidatura própria para prefeito, mas ainda não temos um nome, vamos fazer pesquisas. Agora para vereador teremos uma chapa pura, o vice pretendemos pegar de um outro partido. Nunca tivemos nenhuma laço com o PP e nem com o Bernal, tanto é que foi por esse motivo que Paulo Pedra saiu, ele quis apoiar o prefeito e saiu por conta própria, porque nunca concordamos com os ideais do partido".

Assim como PDT, o PPS também busca um nome para lançar como candidato a prefeito. Athayde Nery, presidente regional da sigla, diz que o partido pretende ter candidatura própria, porém não descartou alianças com outros partidos até mesmo com o PSDB. "O PPS não definiu nada sobre apoiar qualquer partido até porque nós podemos ter uma candidatura própria, ainda estamos conversando e temos até o mês de junho para definir isso, ainda não estamos apoiando nenhum partido mas isso não impede que nós tenhamos projetos com o PSDB".