26 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 24º

APROVADO

Impeachment de Trump o coloca como terceiro presidente dos EUA a ser alvo

O presidente está sendo acusado de obstruir o Congresso ao atrapalhar as investigações depois que o episódio envolvendo a Ucrânia foi descoberto

Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América aprovou nesta quarta-feira (18) o impeachment do presidente Donal Trump. 230 votos a favor de abertura do processo contra 197 contra. O presidente teria cometido abuso de poder ao pressionar a Ucrânia a investigar Joe Biden, seu principal adversário na eleição do próximo ano. Trump torna-se o terceiro presidente na história dos E.U.A a ser alvo de impeachment. Donald Trump junta-se assim a Andrew Johnson (1868) e a Bill Clinton (1998) na lista dos presidentes que passaram à fase decisiva do processo de destituição. 

Ainda segundo justificativa de abertura do processo, noticiada por todo o mundo, o presidente está sendo acusado de obstruir o Congresso ao atrapalhar as investigações depois que o episódio envolvendo a Ucrânia foi descoberto, na ocasião também 229 congressistas votaram pela abertura do processo, enquanto 198 votaram contra a denúncia.

A votação foi eletrônica, mas os parlamentares tinham a opção, bem pouco usual, de votar em papéis verdes (a favor) e vermelhos (contra).

Vários republicanos e alguns democratas escolheram votar assim como um gesto histórico.

Enquanto os deputados decidiam seu destino na Casa Branca, Trump participava de um comício em Michigan.

Ele esperou a votação começar para subir ao palco e acusar os democratas de atuarem “consumidos pelo ódio” e de “tentarem anular os votos de dez milhões de patriotas americanos. ”

"Eles [os democratas] é que deveriam sofrer impeachment, cada um deles", disse para a multidão que gritava "mais quatro anos". 

Eram necessários 216 votos para aprovar o impeachment em pelo menos uma das acusações —maioria simples dos 431 deputados em plenário—, mas o resultado ainda não é suficiente para tirar Trump da Casa Branca.

Ao contrário do Brasil, onde o afastamento do chefe de governo acontece imediatamente após o Senado receber a denúncia de impeachment aprovada pela Câmara, o presidente dos EUA só deixa o cargo depois de ser condenado no Senado, hoje comandado por maioria republicana.

A partir de janeiro, os 100 senadores, 53 deles republicanos, serão os jurados das acusações chanceladas pelos deputados, em sessões comandadas pelo presidente da Suprema Corte, John Roberts.

Fonte: Com informações da Folha de S. Paulo.