11 de maio de 2021
Campo Grande 34º 18º

MANTUS - MT

João Arcanjo Ribeiro é preso suspeito de lavar dinheiro com "jogo do bicho"

Além de João, foi preso também seu genro na 'Operação Mantus', nessa manhã

A- A+

06h53 - O comendador João Arcanjo Ribeiro foi preso na manhã desta quarta-feira (29), em uma ação da Delegacia Especializada de Fazenda e Crimes Contra a Administração Pública (Defaz) e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). A ação faz parte da 'Operação Mantus', com o escopo de prender duas organizações criminosas envolvidas com lavagem de dinheiro e com a contravenção penal denominada “jogo do bicho”.

09h12 - João Arcanjo Ribeiro acaba de deixar a sua mansão, localizada no bairro Boa Esperança, em Cuiabá. Os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão, encontraram R$ 200 mil em dinheiro e também precisaram de um chaveiro para abrir um dos cofres do suspeito. O advogado dele, Zaid Arbid, acompanhou os trabalhos. Um pano foi colocada na frente do portão para evitar que imagens do comendador fossem feitas.

09h08 - O genro de João Arcanjo, Giovanni Zem Rodrigues, foi preso no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. 

A operação visa dar cumprimento a 63 mandados judiciais, sendo 33 de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão domiciliar, expedidos pelo juiz da 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu.

As ordens judiciais são cumpridas em Cuiabá, Várzea Grande e em mais cinco cidades do interior de Mato Grosso. Um dos alvos foi preso no aeroporto de Guarulhos, com apoio da Polícia Federal.

João Arcanjo Ribeiro, conhecido como “Comendador”, é acusado de liderar o crime organizado em Mato Grosso, nas décadas de 80 e 90, sendo o maior “bicheiro” do Estado, além de estar envolvido com a sonegação de milhares de reais em impostos, entre outros crimes.

Os suspeitos vão responder pelo crime de organização criminosa, lavagem de dinheiro, contravenção penal do jogo do bicho e extorsão mediante sequestro, cujas penas somadas ultrapassam 30 anos.

O delegado titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado, Flávio Stringueta, cita a integração entre a GCCO e a Defaz como um dos pontos principais para o êxito das investigações. “Em especial, dos Núcleos de Inteligência, que desempenharam um trabalho de excelência, sob a coordenação do delegado Luiz Henrique Damasceno”, destacou.

Para o delegado, Luiz Henrique Damasceno, um dos coordenadores das investigações, a ação demonstra o trabalho qualificado da Polícia Civil. que por meio do uso do Laboratório de Dinheiro, visou atacar principalmente o aspecto financeiro das organizações criminosas.

A operação coordenada pela Diretoria de Atividades Especiais, conta com o apoio da Diretoria Metropolitana, Diretoria do Interior, além do auxílio do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil na coleta dos dados, que foram trabalhados pelas equipes que atuaram diretamente no Inquérito Policial.

MANTUS 

Na mitologia etrusca, Manto (em latim: Mantus) é o deus do mundo dos mortos no vale do rio Pó. Manto também é conhecido como o Deus do azar, onde chamava atenção  de suas vítimas através de jogos, roubando assim suas almas.

Local - Arthur Santos da Silva
Fonte: Olhar Direto MT