16 de setembro de 2021
Campo Grande 32º 20º

ELEIÇÕES 2022

Lula avança, Bolsonaro entra em queda e já põe as barbas de molho

Ex-presidente reanima a militância e acende esperanças eleitorais do PT em Mato Grosso do Sul

A- A+

A restituição dos direitos políticos do ex-presidente Lula (PT) chega num dos piores momentos políticos de Jair Bolsonaro (sem partido) e de seu governo. Com os seus índices de aprovação despencando, principalmente pela condução desastrosa da luta contra a pandemia, o presidente também passa a ser incomodado por pesquisas de intenção de voto que mostram o petista nos seus calcanhares, pontuando no empate técnico ou até liderando em eventual segundo turno  

Pesquisas que vêm sendo divulgadas desde semana passada mostram rigoroso equilíbrio entre Lula e Bolsonaro nas intenções de voto, além de registrar aumento nas taxas de reprovação ao governo federal, principalmente por sua atuação no enfrentamento da pandemia da Covid-19. O cenário político já está com nova configuração. A presença de Lula é a causa, tanto que em diversos estados a militância petista refaz as avaliações e passa a acalentar chances eleitorais que até então eram improváveis.

Segundo o deputado federal Vander Loubet (PT-MS), ainda é cedo para tirar conclusões de um quadro que, a seu ver, ainda está sendo redesenhado. No entanto, ele não tem dúvidas que o PT se fortaleceu mais política e eleitoralmente. "Mesmo com estes cinco anos consecutivos de desgastes e linchamento que sofremos, o partido não se encolheu e nem tampouco diminuiu de tamanho. Ao contrário, estamos crescendo. Temos a maior bancada na Câmara e em todo o interior brasileiro estamos avançando", afirma.

Zeca Zeca do PT está afastado desde 2018 da vida pública, e cuida de sua propriedade rural no interior de MS. Foto: Arquivo pessoal 

A possibilidade de lançamento de candidatura própria ao governo sul-mato-grossense ficou bem mais concreta, analisa Loubet. Ele cita como exemplo o nome do ex-governador Zeca do PT sendo citado em diferentes consultas de intenção de voto. E acredita que as pesquisas que ainda devem ser feitas vão exibir Zeca e outros nomes petistas em posição de destaque. "É óbvio que tudo isso é alavancado por esse fator que é o retorno do Lula à cena política. Sabemos que aqui o Zeca é nossa principal opção para disputas majoritárias, Governo ou Senado", admite.

CAMPO GRANDE

De acordo com levantamento do IPR/Correio do Estado, feito nos dias 11 e 12 de março em Campo Grande, Bolsonaro com 29,84% e Lula com 26,35% estão dentro da margem do empate técnico. A margem de erro é de 5,5% para mais ou para menos, o que configura a probabilidade do empate. Foram entrevistados 315 eleitores da Capital.

Além das pontuações, outro dado desse levantamento que anima o PT e certamente preocupa os seguidores do presidente é que a pesquisa foi feita em Campo Grande, considerada uma das capitais mais cativas do bolsonarismo no País. Uma demonstração disso foi a carreata realizada no último domingo, 14, quando milhares de manifestantes foram às ruas da capital em sinal de apoio a Bolsonaro para protestar contra medidas de isolamento social, toque de recolher e lockdown.