22 de janeiro de 2021
Campo Grande 30º 20º

Mais de dez partidos devem acompanhar Delcídio

aaaa Até o último dia de prazo (31 deste mês) para homologar chapas e coligações, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) vai manter aberta a porta das alianças que apoiarão sua candidatura a governador de Mato Grosso do Sul. Hoje, seguramente passa de 10 o número de legendas que constam do amplo raio de entendimentos com o pré-candidato petista. Além do PR de Londres Machado, que deve indicar o vice, e do PDT de Leite Schimit, estão confirmados no palanque delcidista o PCdoB (aliado tradicional), o PSL, o PTC, o PP e o Pros. Em fase final de entendimentos, o PV e outras legendas que o senador prefere manter sob reserva. PSC E PTB - O PSC, do suplente de Delcídio no Senado e coordenador-geral da campanha, Pedro Chaves dos Santos Filho, está fazendo apenas o ajuste político interno, já que em nível nacional o partido tem seu próprio candidato à Presidência da República, o Pastor Etevaldo. No aspecto local, essa situação não constitui problema algum, até porque o professor Pedro Chaves, principal expressão do PTC no Estado, já está exercendo o papel de coordenador. No caso do PTB, os petistas aguardavam para quarta-feira próxima a resposta do presidente da Federação das Indústrias (Fiems), Sérgio Longen, que seria a primeira opção para a vaga de candidato ao Senado. Mesmo que não tenham Longen na chapa, os petebistas admitem o interesse em reforçar o palanque do PT ou, em segunda alternativa, abraçar o PSDB de Reinaldo Azambuja. Isso, tacitamente encaminharia Delcídio para oficializar o nome do presidente da Caixa de Assistência dos Servidores (Cassems), Ricardo Ayache, como nome de sua chapa ao Senado. Ayache foi indicado por aclamação em plenária do partido. “Estamos conversando com todas as forças que estejam dispostas a fazer parte de uma aliança programática, em torno de pontos comuns”, frisou Delcídio. “ E cada partido tem a sua vontade legítima de participar desse processo e de contribuir com um programa plural e democrático. E as conversas se prolongam porque é preciso definir bem os compromissos, esses ajustes são naturais, envolve a escuta das bases, a observância dos rituais de cada agremiação. Mas não há dúvidas de que eremos uma base forte e bastante qualificada para a disputa”. . PDT – Leite Schimidt PR – Londres Machado PCdoB - Moacir Abreu PSL – Alceu Bueno PV – Marcelo Bluma PTC- Cezar Renato Gazolla PP – Alcides Bernal PROS – Mário Márcio Borges   Edson Moraes, especial para MS Notícias