17 de setembro de 2021
Campo Grande 35º 21º

HOMICÍDIO | SÃO FRANCISCO (EUA)

Morta com 3 facadas no pescoço; polícia dos EUA traz detalhes da morte de goiana

Lídia tinha se mudado para São Francisco, no estado da Califórnia, há mais de dois anos e trabalhava com limpeza de residências por aplicativo

A- A+

A polícia norte-americana revelou detalhes do cenário da morte da goiana Lídia Lúcia Ferreira Borges, de 28 anos, achada morta no apartamento do ex-namorado em 22 de dezembro do passado nos Estados Unidos.

Um investigador detalhou ainda que não houve luta corporal entre ela e o ex-namorado. A irmã dela, que está no país, se encontrou com o policial que conduziu a investigação. Lídia morreu com três facadas no pescoço, revelou a mãe dela, Leda Barbosa Ferreira.

"O homem atacou quando ela caiu na cama, direto no pescoço, com três facadas. A morte foi praticamente instantânea, como revelou a polícia dos Estados Unidos. Vou levar essa dor para sempre porque mãe continua sendo mãe, mesmo depois que o filho morre", relatou Leda.

A hipótese, segundo Leda, é que eles tiveram uma discussão e ele a empurrou na cama, momento em que a atacou.

Segundo a polícia informou à mãe, o homem foi achado morto no local. Para o investigador, a suspeita é que ele tenha cometido suicídio após matar a ex. O rapaz é natural de Goiânia, conforme revelou a polícia após verificar a documentação achada no apartamento.

A família de Lídia é natural de Edéia, a 120 km de Goiânia, mas reside em Caldas Novas há mais de 20 anos. Lídia tinha se mudado para São Francisco, no estado da Califórnia, há mais de dois anos e trabalhava com limpeza de residências por aplicativo. Ela era bióloga por formação, tinha duas pós-graduações na área e se mudou para São Francisco em busca de liberdade financeira.

A mãe contou ao G1 que a Lídia terminou o namoro com o rapaz depois de descobrir que "não era o que ela procurava para a vida". Ela disse ainda que, na época, ele teria aceitado o fim da relação, "aparentemente" de forma positiva. Os dois, inclusive, mantiveram amizade depois da separação, segundo a mãe. "Depois que tinham terminado, eles até viraram amigos, mas ninguém sabia que ele guardou essa paixão por ela. Ele ficou completamente obcecado pela minha filha", desabafa Leda Ferreira.

Uma amiga que morava com a jovem há um ano, que preferiu não ser identificada, relatou que, no dia do crime, Lídia saiu para trabalhar e não voltou. Preocupada, ela chamou a polícia e passou informações sobre o trabalho que a jovem foi fazer. Em buscas pela cidade, os policiais encontraram o carro da goiana estacionado em frente ao prédio onde o ex-namorado morava.

FONTE: (G1).