28 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 22º

Política

Orçamento de 2021 é aprovado em comissão e vai agora ao Congresso

A- A+

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aprovou há pouco o parecer final do relator-geral, senador Marcio Bittar (MDB-AC), para a proposta orçamentária deste ano (PLN 28/20). Em uma complementação de voto, ele remanejou R$ 26,5 bilhões, favorecendo emendas parlamentares.

O parecer aprovado será analisado pelo Congresso ainda hoje. Em razão da pandemia de Covid-19, a sessão acontecerá em duas etapas. A primeira, na Câmara dos Deputados, está marcada para as 15h. No Senado, para as 18h.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Reunião deliberativa
Comissão Mista de Orçamento se reuniu com participação presencial e on-line

O Ministério do Desenvolvimento Regional (administração direta e órgãos vinculados), com R$ 10,2 bilhões, e o Fundo Nacional de Saúde, com R$ 8,3 bilhões, são os mais favorecidos com o remanejamento de R$ 26,5 bilhões.

Para viabilizar as mudanças, foram canceladas dotações reservadas inicialmente pelo Poder Executivo para quitar benefícios previdenciários (R$ 13,5 bilhões), abono salarial (R$ 7,4 bilhões) e seguro-desemprego (R$ 2,6 bilhões).

Do total remanejado, cerca de R$ 16,4 bilhões permanecem condicionados à aprovação de um crédito suplementar para contornar a chamada "regra de ouro". Essa proposta só poderá ser apresentada após a sanção do Orçamento.

Segundo Bittar, os gastos previdenciários estão em queda devido à recente reforma e ao combate a fraudes. Entretanto, um relatório da equipe econômica informou que a previsão é faltar R$ 8,5 bilhões para essas despesas neste ano.

Críticas
Parlamentares de oposição criticaram os cortes e reclamaram das dotações para áreas que consideram estratégicas. "Sabemos que o governo Bolsonaro não tem interesse no Orçamento", disse o deputado Afonso Florence (PT-BA).

"Na árdua tarefa para conciliar o cenário de pandemia, a retração econômica, os poucos recursos discricionários [de livre uso pelo Executivo] e os pleitos legítimos, tive tomar decisões difíceis, mas necessárias", explicou Bittar.

Outros pontos
O relator-geral fez ainda vários ajustes na proposta orçamentária enviada pelo Poder Executivo em agosto de 2020. Incluiu como meta fiscal para 2021 um déficit de R$ 247,1 bilhões para o governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência).

Uma das mudanças criticadas por parlamentares foi o corte de R$ 1,75 bilhão nos recursos do Censo Demográfico. Na complementação de voto, Bittar retirou mais R$ 169,7 milhões dessa ação orçamentária, agora sem nada para gastar.

Durante a análise do parecer final na CMO, o relator-geral acabou referendando a aprovação de 21 destaques, todos para remanejamento de dotações em montantes mais baixos. Outros 80 destaques foram rejeitados.

Reportagem Ralph Machado
Edição Cláudia Lemos