28 de setembro de 2020
Campo Grande 34º 24º

Puccinelli se compromete apenas a auxiliar na campanha do PMDB

O governador André Puccinelli (PMDB) confirmou sua presença no encontro regional do partido em Dourados que será realizado no próximo dia 26 de abril. O encontro servirá para discutir com a militância do partido as definições adotada pelo PMDB para a campanha eleitoral em 2014.

A presença de Puccinelli era esperada por toda cúpula do partido que já havia anunciado que não realizaria o evento dia 12 caso o governador não pudesse por entender a importância de André perante a base peemedebista. Questionado sobre sua participação na campanha do pré-candidato do PMDB ao governo do Estado, Nelson Trad Filho, o governador se limitou a dizer que irá apenas ajudar. "Eu vou auxiliar o partido, não vou coordenar a campanha."

De acordo com Puccinelli, sua participação irá se limitar a aconselhar os pré-candidatos e conversar com os partidos aliados, que, segundo ele devem ser cooptados pelos pré-candidatos. O governador procurou não comentar a possível debandada de partidos, como o PR, por exemplo, que estiveram ao lado do PMDB durante anos, e que hoje estão propensos a se aliar ao PT, do pré-candidato ao governo Delcídio do Amaral.

'Eu não falo pelos outros, as pessoas ás vezes colocam palavras na minha boca", afirmou Puccinelli ao ser questionado sobre a possível perda que o PMDB tem enfrentado na batalha por partidos aliados. A postura do governador aponta para um cenário que pode ser desastroso para o PMDB, uma vez que ele, ao invés de mergulhar na campanha eleitoral pelo disputa ao governo do estado, está deixando este fardo, a cargo, exclusivamente, dos pré-candidatos, que não desfrutam da mesma força política nem do mesmo poder de retórica dos quais André tem se nutrido e beneficiado durante toda sua carreira política.

Trazer novos aliados sem ter Puccinelli na chapa peemedebista será uma tarefa árdua, sem ele à frente da campanha, conversando diretamente com os partidos, se torna ainda mais difícil. E, ao que tudo indica, o PT e o senador Delcídio do Amaral já entenderam que essa pode ser a chance de formar a grande aliança partidária que o Partido dos Trabalhadores buscar para voltar ao comando do Mato Grosso do Sul. Prova disso, é o recente convite feito pelo partido à vereadora Grazielle Machado (PR) para ser vice de Delcídio.

Heloísa Lazarini