16 de janeiro de 2021
Campo Grande 28º 22º

Deputados divergem quando assunto é questão indígena

Ao fazer o uso da palavra no plenário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul hoje pela manhã, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) aproveitou para manifestar sua opinião em relação ao bloqueio das rodovias estaduais em Dourados f]promovido por lideranças indígenas desde o início da semana com intuito de reivindicar reformas no DSEI (Distrito Sanitário Especial Indígena) e na Sesai (Secretaria Especial da Saúde Indígena) e também por mais qualidade na saúde.

Revoltado com a atitude dos índios, Zé Teixeira pediu ajuda ao governador André Puccinelli (PMDB) solicitando mais segurança no Estado. “Eles gostam de protestar e usam a força par isso, machucando as pessoas, impedindo o direito de ir e vir, onde é que vamos parar com isso? Se eles podem fazer protestos, nós brancos nos sentimos no direito de fazer a mesma coisa, por que eles podem e nós não? Isso tem que acabar. Precisamos da ajuda do governador, ajuda das forças armadas para fazer esse povo ter mais consciência”.

Ao contrário de Zé Teixeira, o deputado estadual Laerte Tetila (PT) fez o uso da palavra para ressaltar que existe uma instabilidade na gerência do DSEI, que afeta diretamente  os 74 mil indígenas do Estado. “Os índios estão sendo prejudicados, eles se sentem no direito de protestar por sofrerem com isso. A aquisição de medicamentos, de equipamentos e combustível para as equipes efetuarem as ações cotidianas está sendo afetada”, garantiu Laerte Tetila.

Compartilhando o mesmo pensamento de Zé Teixeira, o deputado estadual Lídio Lopes (PEN) destacou que vidas serão ceifadas devido ao mau comportamento dos índios. “Eu tenho certeza que pessoas vão morrer durante esses confrontos e não consigo entender o que as autoridades estão esperando para tomar uma atitude, o Mato Grosso do Sul virou de cabeça para baixo, não da para entender como ainda enfrentamos problemas como estes”, afirma Lídio Lopes.

Dany Nascimento