26 de janeiro de 2021
Campo Grande 30º 21º

Impedido de se aliar ao PT, Azambuja passa a criticar Delcídio do Amaral

Após trabalhar durante quase um ano para formar uma aliança com o pré-candidato ao governo do Estado, Delcídio do Amaral (PT) no Estado e defender a formação de uma aliança, onde concorreria ao Senado ao lado do petista, Reinaldo Azambuja (PSDB) que agora entrou na briga para disputar o governo do Estado, voltou a tecer críticas a Delcídio durante a realização da convenção estadual do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira).

Mesmo ressaltando que alguns pré-candidatos de Mato Grosso do Sul possuem um “passado nebuloso”, Reinaldo afirma que seu objetivo não é julgar ninguém e garante que a preocupação se deve porque o PT (Partido dos Trabalhadores) “quebrou” a Petrobrás.  “Eu fui o primeiro a assinar a CPI da Petrobrás, não queremos julgar ninguém, mas o PT quebrou a Petrobrás e através da imprensa nacional podemos perceber que existem diversas pessoas com bilhões no exterior. Hoje o candidato do PT vestiu a carapuça e disse que a questão da Petrobrás é algo que querem requentar e não é não. Eles devem explicações ao povo brasileiro. Temos que tirar a Petrobrás das garras do PT, chegou a hora dela voltar para quem ela realmente pertence, que é o povo. Chega de PTbrás, chegou a hora de ser a Petrobrás que todos conheciam”.

Concordando com as afirmações de Azambuja, o presidente regional do PSDB, Marcio Monteiro (PSDB) garantiu que se os tucanos tivessem coligado com o PT, essa seria a hora de desfazer a coligação, levando em consideração os escândalos da Petrobrás. “Certamente seria a hora de desfazer. O Reinaldo sempre deixou claro que nosso interesse era terminar o programa Pensando MS para depois tomar uma decisão, levando em consideração que teríamos as ideias da população para melhorias no Estado. Dessa forma, percebemos que a população queria mudança e isso seria tirar o PT e o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) do poder. Em seguida veio essa questão da Petrobrás e com certeza nós reconsideraríamos caso tivesse formado uma aliança com eles no Estado. Eles devem explicações por tudo que foi publicado pela imprensa nacional”.

O PSDB afirmou que não usará “baixarias” para atacar os adversários durante as campanhas eleitorais, mas garantiu que responderá a todos os ataques. “Não fazemos política com baixaria, mas vamos responder todos os ataques que vierem”, finaliza Reinaldo.

Dany Nascimento