30 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 24º

BRASÍLIA

"Vai morrer gente? Vai morrer gente", diz Bolsonaro sobre a covid-19

"Temos 2 problemas", disse. São eles: vírus e desemprego

Bolsonaro se dirigiu à imprensa, mas disse que não aceitaria perguntas. “Quem quiser me ouvir, fique à vontade”, falou aos jornalistas que o aguardavam no local. Depois, atendeu a alguns questionamentos.

Bolsonaro afirmou que “ainda” não tem remédio comprovado para tratar a covid-19. Ele também criticou a imprensa pela cobertura feita no domingo (29.mar.2020), quando foi a cidades no DF (Distrito Federal) e foi cercado por apoiadores.

“Fui ontem em Ceilândia e Taguatinga. Folha de S.Paulo, não fui passear não. Uma imprensa que não tem caráter, que podia agir de outra maneira. Não fui passear, não. Fui ver o povo. Vocês estão todos aqui amontoados aqui também”, disse.

Ao participar de pequenas aglomerações, o presidente desobedeceu orientações do próprio Ministério da Saúde, além da OMS (Organização Mundial da Saúde).

O presidente também disse que, se os empregos forem destruídos, “vocês [jornalistas] vão ver a desgraça que vai se abater no país”. De acordo com ele, “os oportunistas de sempre –basta ver o que aconteceu na Venezuela e em outros países no passado– vão chegar, poderão chegar ao poder, e nunca mais sair”.

Os apoiadores bolsonaristas que ficam ao lado dos repórteres no Palácio da Alvorada –separados apenas por uma grade que bate na altura da cintura– apoiaram as declarações de Bolsonaro.

“Vai para a rua, imprensa”, disse 1 deles.

Os jornalistas, no entanto, estavam na rua a trabalho para fazer a cobertura da Presidência.

“Lixo”, afirmou outro apoiador, dirigindo-se aos repórteres.

“Comunista que está gostando [da pandemia]”, disse mais 1 apoiador.

Fonte: Poder 360.