07 de maro de 2021
Campo Grande 30º 20º

INVESTIGAÇÃO | MT

Câmeras flagram momento que sargento da PM executa homem em boate

Crime ocorreu em agosto de 2020 e policial aposentado está internado numa clínica psiquiátrica; ele havia alegado que houve luta corporal, mas as imagens revelam que tratava de uma mentira

Leia também

• Vídeo: Homem atira na ex-esposa e dá um tiro na própria cabeça

• Vídeo: Cachorro é flagrado "furtando" petisco de R$ 12 em pet shop

• Vídeo: Durante link ao vivo repórter cai em córrego ao mostrar erosão 

• Vídeo: confusão por causa de lanche vira "porradaria" no Burger King

• Vídeo: Mulher varria calçada quando Astra em alta velocidade invadiu estacionamento

• Vídeo antigo de Anitta fazendo tatuagem no ânus cai em rede bolsonarista que ofende: "ridícula"

O sargento de Policia Militar, Márcio Cardoso da Silva, aparece em imagens divulgadas nesta semana, no momento em que mata a tiros Wheric Lino de Barros, de 30 anos. O crime ocorreu em 28 de agosto de 2020 numa boate de Várzea Grande (MT). 

Nas imagens o PM aparece com uma latinha de cerveja, momento em que intercepta a vítima, tenta pegar em um dos braços do rapaz, que afasta o PM entra no comércio. No interior da boate, um amigo do PM, conversa com a vítima até que seja atendido, pega os produtos que comprava e sai, momento em que o sargento vai até o veículo, pega uma arma, retorna até a entrada da boate e efetua diversos disparos contra o homem.  Em seguida, ele tenta fugir, mas é impedido por policiais que na esquina a frente viram o momento da execução.  

Imagens da parte interna da boate mostram a vítima sendo alvejada. Após ser atingida, ela corre para dentro da boate, onde cai já sem vida.

VEJA O VÍDEO 

Na semana passada o PM teve a prisão preventiva substituída por internação provisória numa clínica psiquiátrica. A determinação é do juiz Murilo Moura Mesquita, 1ª Vara Criminal de Várzea Grande, depois que um exame de insanidade mental realizado a pedido da defesa apontou que ele sofre de problemas psicológicos. 

Conforme o magistrado, pelo laudo do exame verifica-se que o militar sofre de “psicose não orgânica não especificada” e “transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de múltiplas drogas e ao uso de outras substâncias psicoativas – síndrome de dependência”. O juiz Murilo Mesquita observa que foi apontada, de forma técnica, a necessidade de sua submissão a tratamento multidisciplinar para saúde mental, em regime de internação psiquiátrica até estabilização do quadro, para posterior seguimento ambulatorial.