17 de junho de 2021
Campo Grande 26º 15º

Desapoio

Mario Cesar endurece o discurso, encurrala Olarte e quer a Câmara ativa

Cobrando menos discursos evasivos e repetitivos e mais respostas coerentes e ações por parte da gestão de Gilmar Olarte, o vereador Mario Cesar pede transparência nas ações e finanças públicas.

A- A+

O presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Mario Cesar (PMDB) proferiu um duro discurso alertando aos demais vereadores os riscos a que aquela Casa está sujeita se permanecer apoiando incondicionalmente as ações do governo de Gilmar Olarte (PP sob liminar) na prefeitura da Capital e mantendo e prorrogando prazos para as explicações pedidas.

Usando da palavra livre, Mario Cesar criticou a imobilidade do executivo que a tudo justifica com “falta de recursos”, sem apresentar um projeto que governo que indique soluções para os problemas.

“A Câmara não é frágil, é aqui que toda a sociedade campo-grandense vem buscar o seu respaldo, pela força que nós temos, pela competência que nós temos, e pela representatividade que nós temos. E aqui não somos base, oposição ou independência, nós estamos preocupados com o município de Campo Grande. Estamos preocupados porque a sociedade está preocupada”, disse Mario Cesar.

Desafiou que se apresentem  as ações desenvolvidas pela Prefeitura e que são cobradas pela população, lembrando que a apresentação de projetos como os que têm sido desenvolvidos não  é atribuição da Casa, uma vez que não é competência legítima do vereador legislar sobre despesas do município de Campo Grande, mas é intenção da Casa balizar o prefeito de que existem caminhos e orientações a serem seguidos.

E prosseguiu quase em tom de desabafo, que “Campo Grande está parada há dois anos e meio, e se nós não pensarmos à frente, pior será para o município de Campo Grande. (...) Eu pergunto, qual foi a empregabilidade criada nestes dois anos e meio? Qual o  projeto de infraestrutura? Qual  a única unidade habitacional? Daqui a um tempo vamos ter que repensar o que fazer  e ai serão mais cinco anos até que projetos sejam pensados. Precisamos antever esse municio para os próximos anos. Precisamos apresentar respostas à sociedade que cobra, nada mais do que ver atendidas suas necessidades básicas”.

O vereador aproveitou para solicitar da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento que convide os secretários de Administração, Wilson do Prado, e de Finanças, André Luiz Scaff, para que expliquem as reais condições das finanças públicas e quais as ações a serem desenvolvidas, como está a questão da Lei de Responsabilidade Fiscal e lembrou que a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que irá determinar os investimentos e orçamento da Prefeitura, dará entrada para análise e votação, sem que os vereadores tenham informações das reais condições do cofre publico.

Os vereadores que apartearam, tanto de oposição quanto os da base aliada, apoiaram o discurso de Mario Cesar, cada qual a seu modo.