15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

Verão 2014 deve bater recordes de chuvas no Estado

O verão de 2014 deve ser de recordes de chuvas em janeiro e fevereiro no Estado todo, exceto nas regiões Oeste e Noroeste e as temperaturas apresentam máximas acima dos 30 graus na maior parte dos dias. O número de chuvas aumenta por causa da neutralidade na temperatura do oceano Pacifico que não sofrerá influência dos fenômenos El Niño e La Ninã. De acordo com o Instituto Meteorológico CPTEC-INPE/Anhanguera, o extremo Sul do Estado terá uma média de chuvas de 10% a 20% maior.

As frentes frias que adentram pelo sul, associadas à Zona de convergência do Atlântico Sul influenciam a temperatura de todo o Mato Grosso do Sul. Devido ao intenso calor e alta umidade que se intensificam gradativamente no decorrer do dia são frequentes as pancadas de chuva no final da tarde seguindo pela noite. Estas condições vão se reduzindo em meados de março. Esses sistemas provocam grande volume de chuva em curto espaço de tempo, constituindo ameaças de enchentes e inundações.

Nessa estação os raios mais verticais de sol passam para o hemisfério sul e projetam os raios mais nocivos da Radiação UV – Ultravioleta. Portanto, é essencial usar protetores e filtros solares, chapéus, óculos e evitar a exposição ao sol entre às 11h e as 15h30. É o chamado fotoperiodo quando os dias são mais longos e as noites mais curtas.

O verão é marcado pela maior incidência de raios e o Mato Grosso do Sul tem um dos maiores índices de incidência do país. Entre a primeira semana de janeiro até a última semana de fevereiro, as temperaturas ficam até quatro graus acima da média das máximas que é de 31,4 graus e o risco potencial de raios também será elevado.  A região mais arriscada é o Centro-Sul do Estado.

Com o período das chuvas, e as temperaturas elevadas, forma-se a combinação ideal para o alastramento dos focos de mosquitos e outros insetos. Esta condição favorável prevê atenção às doenças tropicais, especialmente a dengue para pessoas e a ferrugem nas plantas. Veja a previsão por regiões:

A região Central entre Campo Grande, Maracaju, Bandeirantes e Ribas do Rio Pardo, esperam chuvas próximas das médias históricas. As regiões Norte e parte da Nordeste devem ficam 5% acima da média e normal nos municípios a Leste, na bacia do Rio Paraná. Nas regiões Oeste e Noroeste, haverá períodos curtos de estiagens entre quatro e oito dias. As temperaturas, muito elevadas durante o dia, acima dos 35° nas máximas e acima de 23º nas mínimas devem manter a média em 28°. As chuvas devem aumentar a partir do fim de fevereiro nas cabeceiras da bacia do rio Paraguai e seus afluentes em Mato Grosso (MT).

Nas regiões Sul e Sudeste, a chuva deve ser mais consistente entre o final de dezembro e o começo de fevereiro, com calor intenso. A formação de pancadas isoladas no começo da tarde e no decorrer da noite será recorrente. As temperaturas podem ficar elevadas entre 29º e 33° na máxima, enquanto a mínima deve ficar entre 17° e 20° até o termino da estação.

Diana Christie com informações da Estação Meteorológica da Uniderp/Anhanguera