06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

Com articulações vitoriosas, PSDB cresce e Sérgio de Paula tem papel reconhecido

A solidez da administração de Reinaldo Azambuja para suportar um estágio de profunda crise econômica e política do País, a prestigiada campanha de filiações e a montagem de cenários de entendimentos estratégicos para 2016 dão aos tucanos de Mato Grosso do Sul a confiança necessária para operar seus principais projetos, entre os quais afirmar a governabilidade e potencializar o alcance eleitoral e popular das propostas do PSDB.

Para desenvolver essa receita sem prejuízo de sua dedicação obrigatória e exclusiva às tarefas administrativas Azambuja precisou confiar as soluções de diferentes demandas a um núcleo de inteligência que praticamente responde pelas ações e pelo pensar cerebral do governo e do partido, para que ambos falem a mesma língua. O núcleo é constituído pelo secretário de Fazenda, Márcio Monteiro, deputado federal licenciado e presidente do Diretório Regional; secretário de Governo, José Eduardo Riedel; vice-governadora Rose Modesto; e o chefe da Casa Civil, Sérgio de Paula.

A visibilidade das ações e resultados e cada um são sentidos no dia-a-dia das intervenções definidas de acordo com as prioridades apontadas pelo governador ou pelo colegiado partidário. Coube, porém, a Sérgio de Paula, uma incumbência singular por sua complexidade: conduzir em canal específico, pela Casa Civil, uma agenda que não interfira na autonomia da Secretaria de Governo e nem seja contaminada pelos interesses naturais de partidos e políticos de olho em benefícios pessoais ou eleitorais.

Chefe da Casa Civil e integrante da Executiva Regional (é o tesoureiro) Sérgio de Paula tem conseguido separar as coisas. Exercido com sensibilidade e discrição na eqüidistância entre Governo e PSDB, seu desempenho vem acumulando resultados que impressionam seus interlocutores, aos quais não deixa nenhuma resposta suspensa e nem promessas que não podem ser cumpridas. O saldo não tem sido outro, senão o ganho de credibilidade, como evidenciam os relatórios e demais documentos que radiografam a performance da Casa Civil e do colegiado tucano.

CRESCIMENTO – O fortalecimento do PSDB sulmatogrossense está alinhado num processo de diálogo e articulação que envolve diversas forças políticas e sociais, explica Sérgio de Paula. “Além da campanha de filiações, deflagrada em agosto e caminhando com grande adesão, o partido revitaliza seu dinamismo orgânico e programático, além de iniciar a construção do tabuleiro para as eleições municipais”, completa.

Dos maiores aos menores municípios o PSDB vem estimulando o protagonismo da militância e ampliando os espaços para habiltar projetos e nomes para disputar prefeituras e câmaras de vereadores. Em Campo Grande, esse processo exige uma leitura bem específica e diferenciada, tendo em vista a indefinição sobre a formatação partidária e o posicionamento de pré-candidaturas. Mas em outras cidades os tucanos já registram conquistas fundamentais para a disputa. Servem de exedmplos casos como os de Dourados, Corumbá e Três Lagoas, entre as maiores, e Nova Alvorada do Sul e Vicentina, entre as menores.

De Corumbá, quarto maior colégio eleitoral, o PSDB arregimentou a filiação do ex-prefeito de dois mandatos Ruiter Cunha, que era do PT e entra na escala de favoritos para a sucessão. No terceiro maior colégio, Três Lagoas, iguais conquistas se sucedem, como a filiação do vice-prefeito Luiz Akira. Filho do ex-deputado federal Akira Otsubo e eleito pelo DEM, Luiz Akira entra no rol das opções para a disputa treslagoense. Com ele, migaram também outras forças de considerável inserção social, como os ex-vereadores Celso Yamaguti e Suely Trannin e a empresária Sayuri Baez. No segundo maior município em eleitores, Dourados, uma nova referência de liderança tucana chana a atenção para a disputa na sucessão: é o ex-deputado federal Marçal Filho, nome bastante forte nas projeções de enfrentamento no próximo ano.

No Cone Sul, Vale do Ivinhema e Grande Dourados, regiões trabalhadas com carinho pelos tucanos, Sérgio de Paula deu todo suporte aos entendimentos conduzidos pela Executiva Estadual e o Instituto Teotônio Vilela. Em Nova Alvorada, o ex-petista José Paulo Paleari assinou a ficha do PSDB, abonada pelo governador Reinaldo Azambuja. Conquista que pode definir a sucessão, já que Paleari concorreu em 2012 com o atual prefeito, o tucano Juvenal Neto, provável pré-candidato à reeleição.

Em Vicentina, a costura competente do partido com o toque de Sérgio de Paula praticamente deu a Cleber Silva o consenso para inscrever-se como pré-candidato em 2016. Idêntica é a condição dos tucanos de Chapadão do Sul, com o ingresso de novos quadros, e de Amambai, onde o ninho ganhou um grupo de lideranças expressivas, entre elas o vice-prefeito Ednaldo Luiz Bandeira. Ele é uma das alternativas para o partido, que tem ainda Christiano Bortolotto, presidente do Diretório. Já em Ivinhema, Sérgio de Paula prestigiou e abonou várias fichas, já antevendo os desafios da sucessão. A vice-prefeita Genilda Pieretti está no exercício do cargo titular e a expectativa é de um confronto dos mais acirrados na história política da cidade, razão pela qual o PSDB não perde tempo e prepara seu exército.