20 de junho de 2021
Campo Grande 25º 13º

Lula confessa ao ex-presidente do Uruguai que “Mensalão’ foi necessário para governar

Lula disse ao então presidente José Mujica, que o Mensalão era “a única forma de governar o Brasil”. Sim, a compra de apoio com dinheiro público para beneficiar o governo do PT.

A- A+

Petistas costumam ser volúveis com aqueles que de início idolatram e, depois, por um deslize, uma coisinha que não preencha suas verdades, os achincalham. Com diversos analistas foi assim, por exemplo Joelmir Beting. Com a imprensa, sempre é assim. Amada quando questionava e criticava os antigos governos, passou a ser questionada quando divulgou as primeiras informações que não atenderam aos anseios petistas e, como o governo tem errado mais que acertado, hoje a imprensa, na visão dos militantes, é vista como o Partido da Imprensa Golpista.

Talvez isso venha a acontecer agora com um dos maiores ídolos da esquerda brasileira nos últimos anos: o ex-presidente Uruguaio José Mujica. Outros líderes, ainda que endeusados, não se ombreiam com o único presidente de esquerda que não fez lambanças, não reeditou a censura e não teve que governar ditatorialmente.

Em livro em que jornalistas lhe traçam uma biografia de seu período de poder, José Mujica cometeu o maior pecado permitido a um mortal no universo petista: desmascarou o endeusado Lula:

Leia o trecho do livro:

"Lula teve que enfrentar um dos maiores escândalos da História recente do Brasil: o Mensalão, uma mensalidade paga a alguns parlamentares para que aprovassem os projetos mais importantes do Poder Executivo. Compra de votos, um dos mecanismos mais velhos da política. Até José Dirceu, um dos principais assessores de Lula, acabou sendo processado pelo caso.

'Lula não é um corrupto como Collor de Mello e outros ex-presidentes brasileiros', disse-nos Mujica, ao falar do caso. Ele contou, além disso, que Lula viveu todo esse episódio com angústia e com um pouco de culpa. 'Neste mundo tive que lidar com muitas coisas imorais, chantagens', disse Lula, aflito, a Mujica e Astori, semanas antes de eles assumirem o governo do Uruguai. 'Essa era a única forma de governar o Brasil', se justificou. Os dois tinham ido visitá-lo em Brasília, e Lula sentiu a necessidade de esclarecer a situação."

O episódio foi relatado pelo próprio Mujica aos jornalistas uruguaios Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, da revista semanal ‘Búsqueda’, que o reproduziram no livro-reportagem “Uma ovelha negra no poder”, lançado no Uruguai nesta semana.

Os autores convivem com Mujica há 17 anos. Todas as conversas com ele estão gravadas e, essa em particular, teve como testemunha o seu vice, Danilo Astori que estava presente na sala, durante o desabafo de Lula.

Como relata o jornalista Felipe Moura Brasil, “os jornalistas ainda relatam que a proximidade de Mujica e Lula era tão grande que o uruguaio ‘soube que Dilma seria a candidata (à Presidência) muito antes que isso se tornasse público’ e também que, depois, Lula apoiaria sua reeleição. ‘(Mujica) Entendeu perfeitamente essa jogada’, escreveram Danza e Tulbovitz. ‘Lula preferia ser o poder nas sombras e, depois do mensalão, não ficar exposto demais’.”

Resta-nos o consolo de saber que o ex-presidente chegou a sentir “um pouco” de culpa. Aos petistas resta lançar a ideia de que Mujica esteja “variando” ou senil, porque não podem atribuir mentira a quem sempre deu apoio aos governos petistas. Nesse caso seria admitir o PUIG (Partido Universal da Imprensa Golpista).