07 de maro de 2021
Campo Grande 30º 20º

Sob boatos, ou ameaça real, de ação do Gaeco, vereadores tensos discursam em defesa (de quê?)

João Rocha articulou, mas viu suas pretensões esvaziadas, tomar a Câmara e ganhar poder político que lhes permitisse (o grupo) influir no Judiciário. Não deu. Temeroso, discursou defendendo o...

“Me preocupo com a segurança dos cidadãos que escolheram seus vereadores, homens e mulheres que estão em pé, exercendo seu trabalho. Aqui nessa casa, estamos nos portando dessa forma. Essa situação nos incomoda e questionamos o por que de uma investigação que segue em segredo de Justiça, ficarmos sabendo pela imprensa o que ocorre. É preciso ter uma preocupação com o que é passado, para não assustar a população e para que ela não receba informações infundadas”

Esse foi o discurso de João Rocha (PSDB), na mesma toada de outros vereadores que ocuparam a tribuna da Câmara Municipal de Campo Grande neste primeiro dia de sessão da semana e sob duas ameaças: de afastamento de pelo menos 8 dos 17 pedidos enviados pelo Ministério Público Federal; e de uma aventada ação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), que recolheria computadores, celulares e documentos dos gabinetes.

Aguardava-se uma manifestação do desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva, nas mãos de quem repousa a decisão pelo afastamento, ou não, dos vereadores e outros investigados por corrupção nas ações que levaram à cassação do prefeito eleito Alcides Bernal, em sessão da Comissão Processante que foi considerada inútil e ilegal pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Nada aconteceu, mas os vereadores já articulam discursos bem ensaiados para alardearem uma possível inocência. Na toada do “votaram obedecendo o desejo da população” e às denúncias da imprensa, que para isso foi necessária, mas quando divulga que eles, vereadores, estão sob ameaça de afastamento, é acusada de usar de uma prerrogativa legal de denunciar as ações da justiça que, deveriam estar em segredo de Justiça. Afinal, parece que o único motivo para defenderem tal “segredo” é em proteção de seus mandatos legislativos, não como entende a jurisprudência, de proteção à pessoa ou ao grupo social.

“Vereador gosta de vereador”, assim, até o ponderado presidente interino da Casa, Flávio César (PTdoB), mostrou indignação com o vazamento dos pedidos de afastamento. Estranho que pessoas públicas, passados 30 anos do final da Ditadura Civil-Militar, ditos representantes da Democracia, ainda pretendam e tenham como mais justo, a Censura. Na Velha Região Centro-Oeste, pode-se perceber que a evolução ainda vem na toada das comitivas de gado.