30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

POLÍTICA

"Teriam que passar por cima de mim e de vários colegas", diz Tebet sobre excludente de ilicitude

Senadora de MS diz que projeto não será aprovado e líderes concordam que projeto de sofreu um golpe quase mortal após declaração de novo AI-5 feita por Guedes

As declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a possibilidade de volta do AI-5 caso haja manifestações de rua contra o governo pode ter colocado fim ao projeto do presidente Jair Bolsonaro, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), não vê cenário para aprovação de um projeto de excludente de ilicitude pelo Congresso, em declaração feita nessa terça-feira (26), ela reforçou que o projeto não passa.

“Esse projeto não será aprovado. Teriam que passar por cima de mim e de vários colegas no Congresso", disse Tebet ao blog do jornalista Tales Farias, do UOL.

Todos os projetos que chegam ao Senado têm que ser aprovados na CCJ antes de ir a plenário, esclareceu a emedebista sul-mato-grossense. 

Simone fez a afirmação sobre a proposta de excludente de ilicitude a propósito da declaração de Paulo Guedes. O ministro afirmou:

"Assim que ele [o ex-presidente Lula] chamou para a confusão, veio logo o outro lado e disse é, 'sai para a rua', vamos botar um excludente de ilicitude, vamos botar o AI-5, vamos fazer isso, vamos fazer aquilo. Que coisa boa, né? Que clima bom."

A posição expressa abertamente pela presidente da CCJ é compartilhada até mesmo por líderes governistas ouvidos reservadamente pelo blog de Farias.

A opinião generalizada entre os líderes é de que o projeto de excludente de ilicitude sofreu um golpe quase mortal com as declarações do ministro da Economia.

*Com Blog de Tales Farias, do UOL.