12 de junho de 2021
Campo Grande 25º 14º

Jair Bolsonaro esteve em Campo Grande na noite de quarta-feira (10)

"Bolsonaro foi recepcionado por cerca de 300 pessoas no aeroporto de Campo Grande e fez seu discurso la mesmo por cerca de 30 minutos"

A- A+

 Jair Bolsonaro (PSC) chegou a Campo Grande por volta das 21h da noite de quarta-feira, no Aeroporto Internacional, e foi recebido por uma multidão de cerca de 300 pessoas. Quando ele passou para o saguão de desembarque, um coro de "1, 2, 3, 4, 5 mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil" foi a principal mensagem de recepção entoada.

O deputado federal veio para Mato Grosso do Sul a convite do parlamentar estadual Coronel David (PSC) e os dois vão ter agenda em Sidrolândia e em Nioaque, onde ambos acompanharão evento da Retirada da Laguna, em evento promovido pelo Exército.

Bolsonaro, quando estava na ativa do Exército, serviu em Nioaque como capitão entre 1979 e 1981.

"Sem segurança não tem economia. O povo brasileiro é conservador e cristão. Respeitando as outras religiões, faremos uma grande nação", disse o deputado logo depois de sua chegada.

Em discurso, ele falou sobre a situação do presidente Michel Temer. "Não vamos aceitar a corrupção, seja quem for. Temos que ir até as últimas condições para limpar o Palácio (do Planalto). A alternativa é votar em perfil semelhante ao nosso."

Ao falar sobre o voto dele na Câmara no caso de denúncia de Temer, Bolsonaro afirmou que defende a investigação. "Eu não sou aquele que acha que para ter governabilidade temos que engolir a corrupção. Não vamos engolir corrupção seja de quem for."

O deputado ainda aproveitou o fato de já ter servido em Mato Grosso do Sul e disse para o público foi ao aeroporto para vê-lo que tem ligação com o Estado, ao mencionar que o filho dele teria sido concebido aqui. "O meu primeiro filho não nasceu aqui, mas foi fabricado aqui. O calor de vocês não tem preço." A platéia que estava presente aplaudio e gritou muito após essa declaração de Jair.

Ele também mencionou, no discurso, o tema armamento da população. "Falam tanto de ditadura militar. Naquele tempo, o avô de vocês comprava arma de fogo na Mesbla. A nossa liberdade não tem preço e essa quadrilha, que dá agora um grande passo para ser desmontada, que é a quadrilha vermelha, que tem a frente o PT, sempre quis roubar a nossa liberdade."