25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 22º

Prisões em flagrante de violência contra a mulher aumentaram em 2013

Os dados de violência contra a mulher se mantiveram estáveis nos comparativos referentes aos anos de 2012 e 2013. De acordo com a delegada titular do Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), Rosely Molina, no ano de 2012 foram totalizados 3.955 atendimento à mulher e em 2013 o total foi de 4.597 atendimentos. No ano passado aconteceram mais de 300 prisões em flagrante.

Para a delegada, tudo que é fruto das políticas de enfrentamento da violência contra a mulher é oportuno e bem visto, pois cada ação é muito relevante. As mulheres procuram mais a ajuda da Deam e isso serve de exemplo para que outras mulheres se encoragem e denunciem. Aqueles homens que são responsabilizados e punidos servem de exemplos para que outros não agridam as mulheres.

 O evento  Campanha do Mês da Mulher, segundo Tai Loschi,  coordenadora especial de políticas para a mulher, discute a violência contra a mulher, para que elas se conscientizem e se fortaleçam, rompendo assim o silêncio.

Segundo a coordenadora, um pacto assinado em 2009, de enfrentamento a violência contra a mulher conta com recursos federais e do Estado, além da ajuda municipal, que fortalece a rede com viaturas, mobiliário, motocicletas. Tai destaca os 16 dias de ativismo contra a violência doméstica e o fortalecimento da lei Maria da Penha, que hoje, segundo ela, já é conhecida a nível federal por 98% da população. Para a coordenadora, a prevenção e combate contra a violência da mulher está em primeiro lugar, tendo tolerância zero, ela cita o número 180, que é para que as mulheres liguem e denunciem.

A secretária municipal de Mulher, Jaqueline Hidelbrand, falou sobre as políticas públicas na prefeitura de Campo Grande. A secretária lembro que no último sábado foi feito o lançamento da patrulha Maria da Penha em parceria com a SAS (Secretaria de Assistência Social­), com o Ministério Público, com a Defensoria e com a Guarda Municipal da Capital.

O serviço, explica Jacqueline, é uma viatura de monitoramento as mulheres que estão sobre proteção judicial e conta com uma linha telefônica funcionando 24h. A Sesau (Secretaria da Saúde) participa fornecendo equipe médica e odontológica que vai atender dentro da secretaria da mulher e vai ser inaugurada no dia 11 de abril. Segundo ela o objetivo é que a secretaria funcione 24h. Questionada sobre o “botão do pânico”, projeto da vereadora Rose Modesto (PSDB), Jacqueline afirmou que esteve conversando com a vereadora e ela vai apresentar a empresa que fornece o botão do pânico, ai então será estudado as verbas e a licitação, mas enquanto isso existe a patrulha que funciona de forma semelhante.

Já a vereadora Carla Stephanini (PMDB), lembra da assinatura do pacto de enfrentamento de violência contra a mulher, a ampliação do centro de atendimento as mulheres e da rede estadual de enfrentamento a violência contra a mulher em parceria com municípios e organismos políticos.

Os números do centro de referência de atendimento à mulher foram em 2012, em Campo Grande: Recepção: 1.021; Assistência Social: 621; Defensoria 454; Psicóloga 347; SOS 1.512; totalizando 3.955. Em 2013, Recepção: 1.289; Assistência Social: 732; Defensoria 510; Psicóloga 554; SOS 1.512; totalizando 4.597.

Tayná Biazus e Diana Christie