05 de maro de 2021
Campo Grande 28º 21º

Recém inaugurada, UPA das Moreninhas têm tempo de espera superior a 4 horas

Inaugurada pelo prefeito Alcides Bernal  na última quinta-feira (11) a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) das Moreninhas já apresenta problemas. Pacientes reclamam da falta de organização e do longo tempo de espera, de até cinco horas para atendimento. A obra que custou R$ 5.115.543,56 milhões, demorou mais de três anos para ser entregue à população. 

Conforme a  portaria 104  do Ministério da Saúde, que  regulamenta o  funcionamento das UPAS,  as unidades de porte 2- como a UPA  das Moreninhas-  devem atender uma média de 250 pacientes a cada turno de 12 horas, com quatro médicos no primeiro turno e dois médicos no período noturno.  De acordo com um enfermeiro da unidade, que preferiu manter sua identidade preservada, havia na tarde desta segunda-feira (15) quatro médicos trabalhando, porém não havia 250 pacientes, e sim, conforme enfermeiro, aproximadamente 100. Mesmo assim, com número de pacientes dentro da capacidade de atendimento normal, conforme portaria do Ministério da Saúde, o tempo de espera superior a três horas.

A falta de organização dentro da unidade foi outro problema citado pelos pacientes. "Já estava esperando por mais de cinco horas e perdi minha vez, pois os funcionários pedem pra gente esperar nessa sala, e depois chamam a gente lá na outra. Tá tudo uma bagunça", diz Paulo da Silva Nascimento que está com dores no peito e febre.

Enquanto nossa equipe ainda estava na unidade, Paulo foi chamado, e os outros pacientes bateram palmas. "A gente bate palma em protesto. Se é pra inaugurar uma unidade nova dessa e o atendimento ficar ruim desse jeito, melhor que continuasse como antes, no CRS já fui atendida mais rápido", desabafa Adriana de Figueiredo Pereira, que aguarda por atendimento há mais de três horas.

Com a inauguração da UPA, o CRS (Centro Regional de Saúde)  Marcílio de Oliveira, também localizado no bairro Moreninha IV foi desativado. A nova destinação para o prédio ainda não foi definida pela Prefeitura.

De acordo com a assessoria de comunicação da Sesau, há uma grande procura pela UPA Moreninha, mas 90%  dos pacientes que chegam à unidade recebem a classificação de risco azul, que é de pouca gravidade e  esses casos demandam maior tempo de espera, já que os outros casos, classificados como vermelhos e amarelos, de alto e médio risco, são atendidos em no máximo 1 hora.

Ainda conforme assessoria, os seis CRS's e as quatro UPA's da Capital, são monitoradas 24 horas por dia, e quando há a necessidade, equipes móveis são destinadas às unidades para normalizar o atendimento. Porém, durante as duas horas que equipe de reportagem esteve na UPA não havia nenhuma equipe móvel na unidade.