01 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

INTERNACIONAL

Enquanto outros países caem, Brasil sobe no ranking de óbitos por covid-19

A política de isolamento social adotada por todos os países em decrescente é o que vem dando resultados positivos contra o vírus

Leia também

• Criança de 5 anos, filha de paramédicos, morre vítima da Covid-19

• Governador de Nova York cita Brasil como mau exemplo de atuação contra COVID-19

• Baixo isolamento faz Covid-19 avançar no Brasil, e MS continua sendo um dos protagonistas

• Farmácia de MS é a primeira do Brasil a fazer testes para Covid-19

• Mais 9 casos, agora são 249 pessoas infetadas por Covid-19 em MS

O Ministério da Saúde divulgou, nesta quarta-feira (29.abril), que o Brasil registra 78.162 pessoas com covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. O número de óbitos subiu para 5.466. A taxa de letalidade é de 7%. O país já registra a sexta maior média diária de mortes, sendo o 9º colocado, no mundo, com maior número de mortes. 

Segundo cálculo feito pelo jornal Financial Times nos últimos sete dias, a curva ascendente de fatalidades registradas por dia colocou o Brasil na sexta posição do ranking internacional, mesmo sem ter atingido o pico da pandemia. Enquanto isso, os cinco primeiros colocados — EUA, Reino Unido, Itália, Espanha e França — têm curvas descendentes de vítimas fatais, indicando que já atingiram o auge de casos.

As políticas de enfrentamento do coronavírus, com ações tomadas pelos estados e municípios, é o que tem freado o avanço do crescimento sem precedentes no Brasil. A política de isolamento social adotada por todos os países em decrescente é o que vem dando resultados positivos contra o vírus. 

Gráfico construído pela revista Época com base nos dados da Financial Times. 

Os recuperados, até o momento no Brasil, são 34.132 pacientes curados da doença, o que tem trazido esperanças aos profissionais da saúde que estão na linha de frente. Previsões do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, começam a se fazer real, o que liga o alerta em todo o país. O Sistema Único de Saúde já não é capaz de atender os pacientes no Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco e Amazonas. 

Gráfico da Angência Brasil, dados Ministerio da Saúde brasileiro.  

São Paulo concentra o maior número de mortes (2.247). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (794), Ceará (441), Pernambuco (538), e Amazonas (380).  

O governo de Reinaldo Azambuja garante que em Mato Grosso do Sul, o estado está preparado, caso haja uma segunda onda crescente nos casos infectados. Dados da Secretaria de Saúde apontam que MS é um dos estados que menos cumprem isolamento social, o que pode ter resultados futuros perigoso, segundo o Secretário de Saúde, Geraldo Resende. Confira AQUI o boletim epidemiológico do Estado.    

Também foram registradas mortes no Maranhão (166), Bahia (96) Pará (137), Espírito Santo (76), Santa Catarina (44), Minas Gerais (80), Rio Grande do Sul (50), Paraná (82), Distrito Federal (28), Rio Grande do Norte (53), Amapá (31), Alagoas (41), Goiás (27), Paraíba (58), Roraima (seis), Piauí (24), Rondônia (15), Acre (17), Sergipe (12), Mato Grosso (11), e Tocantins (três), segundo o último boletim divulgado pelo ministro da Saúde, Nelson Teich, nesta quarta-feira (29.abril). 

*Com informações da Revista Época e Financial Times.